Telecomunicações

Espanhóis na Másmovil mexem na administração da Nowo/Oni

Arturo Dopico, novo CEO da Nowo/Oni
Arturo Dopico, novo CEO da Nowo/Oni

Operadora espanhola Másmovil entrou no capital da Nowo/Oni em agosto.

A espanhola Másmovil já mexeu na administração da Nowo/Oni, operadora na qual entrou em agosto, com o reforço de três diretores vindos da operadora galega de telecomunicações R. As mudanças na equipa de gestão são imediatas.

Miguel Venâncio, até aqui CEO do grupo Nowo/Oni, assume como Presidente do Conselho de Administração, “mantendo algumas funções executivas, para além da representação institucional e de determinados acordos estratégicos”, informa a operadora em nota de imprensa.

Arturo Dopico, durante 18 anos o CEO da R Galicia, é o novo CEO do grupo, sendo a equipa de gestão igualmente reforçada com a entrada de Pablo Iglesias e Paco Rodeiro (ex-R Galicia) para os cargos de Chief Financial Officer e Diretor de Planeamento Estratégico, Controle e Desenvolvimento de Negócio da Nowo/ Oni, respetivamente.

“Estamos muito satisfeitos por participar num projeto desafiante para nos tornarmos uma das referências em telecomunicações em Portugal. Nesta nova etapa, gostaríamos de aumentar as possibilidades de escolha dos clientes na maior parte do país a partir de um projeto profundamente enraizado em Portugal e que agora receberá um impulso muito forte para crescer e procurar a excelência no serviço ao cliente”, diz Arturo Dopico, novo CEO da Nowo/Oni, citado em nota de imprensa.

Carlos Conti, sócio geral da GAEA-Inveready, acionista histórico da Masmovil, foi igualmente nomeado como novo membro do Conselho de Administração da Nowo/Oni.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Espanhóis na Másmovil mexem na administração da Nowo/Oni