Tecnologia

Esta tecnológica portuguesa dá 500 euros por filho a cada colaborador

gravidez natalidade

A empresa de desenvolvimento de software do Porto quer apostar na retenção de talento com 500 euros por nascimento de cada filho a colaboradores

No total, a ITSector já conta com 400 trabalhadores, mas pretende contratar, até ao final deste ano mais 100 colaboradores, indica, através de comunicado. Esta medida de apoio à natalidade já “beneficiou 56 colaboradores desde 2015, o que resultou num investimento de 28 mil euros por parte da ITSector”, indica Maria Inês Domingues, diretora de recursos humanos da ITSector.

“É, no fundo, uma demonstração simples do quanto queremos promover o bem estar e equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, reconhecendo a importância desta dimensão na nossa vida e no nosso bem estar”, comenta a responsável da empresa do Porto, que conta também com centros em Lisboa, Braga, Aveiro e Bragança.

Leia também | “Portugal tem a melhor fonte de talento da Europa e é por isso que investimos aqui”

Para a tecnológica, este tipo de medidas, implementadas numa estratégia global de retenção de talento, ajudam a atingir um equilíbrio difícil: a estabilidade das equipas na área de TI. “Precisamos de sentir genuinamente esse bem-estar e felicidade, para podermos transmitir isto aos nossos atuais colaboradores e candidatos. Isto é algo que, na minha ótica, faz toda a diferença”, aponta Maria Inês Domingues.

Mas a atribuição de um bónus pelo nascimento de cada filho não é a única estratégia. Outro exemplo é também o “incentivo monetário para quem referenciar amigos da área tecnológica para se juntar às equipas. Desta forma, os próprios colaboradores assumem um papel de embaixadores da empresa, comunicando as oportunidades de carreira existentes na ITSector”, explica a responsável de recursos humanos. “Os nossos colaboradores têm de ser a nossa melhor publicidade”.

Fundada no Porto, em 2005, a ITSector conta também com escritórios na Polónia, Alemanha, Angola, Moçambique e no Quénia.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Orçamento suplementar mantém despesa de 704 milhões de euros para bancos falidos

Jorge Moreira da Silva, ex-ministro do ambiente

(Orlando Almeida / Global Imagens)

Acordo PS-PSD. “Ninguém gosta de um planalto ideológico”

Mario Draghi, presidente do BCE. Fotografia: Reuters

Covid19. “Bazuca financeira tem de fazer mira à economia, desigualdades e clima”

Esta tecnológica portuguesa dá 500 euros por filho a cada colaborador