Este é o ano: Glintt exporta máquinas de pagamento para Angola

Manuel Mira Godinho, CEO da Glintt
Manuel Mira Godinho, CEO da Glintt

As máquinas de pagamento que a Glintt vai começar a exportar no segundo semestre de 2014 não vão revolucionar o mercado. São do mais avançado que há, mas a carcaça é a mesma em todas as marcas. Com uma exceção: as marcas internacionais produzem estes terminais às paletes. A Glintt não. E por isso, pode desenhá-las à medida.

A grande vantagem das máquinas de pagamento
da tecnológica portuguesa é que os bancos podem encomendá-las com a sua
própria cor. Já reparou que alguns terminais de pagamento no
supermercado são verdes, ou vermelhos?

“Vamos tentar fazer o mesmo que fizemos em Portugal, que é ser diferentes. Somos os únicos que fazem TPA com cores adaptadas ao banco”, explica ao Dinheiro Vivo Manuel Mira Godinho, presidente executivo da Glintt. “O outro aspeto é que o software é nosso”, refere. “Se eu tivesse de fazer software para o mundo inteiro não abria concessões, fazia um roadmap de evolução e ponto final.”

A escolha de Angola deve-se à presença forte da banca nacional no país africano. “É um outro eixo da nossa estratégia: tentamos seguir clientes. O nosso esforço e solidez em Portugal dão-nos uma pequena vantagem competitiva para Angola.” A Glintt tem 100 mil máquinas instaladas em Portugal, 40% do mercado, e tentou exportar este negócio há sete anos, quando ainda era ParaRede. Mas falhou: vendeu 2000 máquinas em Angola e 100 na Argélia.

A recuperação da estratégia acontece agora porque a empresa tem uma máquina nova, mais pequena e ergonómica, com várias melhorias. “Estamos também a olhar para Espanha, que é mais difícil porque é um mercado muito fechado, e nós como somos pequenos temos sempre a desvantagem do preço”, antevê o responsável. Este ataque ao mercado espanhol fica para o próximo ano.

A empresa, que tem 1300 colaboradores, também está empenhada na exportação de serviços de tecnologias de informação, em especial na saúde. Mira Godinho adianta que só o negócio nas farmácias representa 40% do total da faturação, e que o sector hospitalar já está todo coberto. Nesta como noutras áreas, o mercado português continua estagnado. O crescimento da tecnológica tem-se dado sobretudo nas operações internacionais. No primeiro trimestre de 2014, os negócios lá fora pesaram quase 27%; o ideal, diz o presidente executivo, é chegar aos 50% ou 60%, talvez dentro de uma década.

“Estamos a olhar para mercados emergentes, como o Brasil e a Polónia”, onde já estão a ser implementados os primeiros projetos em hospitais. Em 2013, faturou 86 milhões de euros e teve um EBITDA de 8,6 milhões. Para este ano, o foco é a reestruturação e a contratação de 150 novos colaboradores. “Acredito que temos condições para ser a maior empresa portuguesa de tecnologias. É preciso trabalhar muito, ter alguma sorte e aprender a não fazer o caminho sozinhos.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, durante a sua audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

ADSE já enviou novas tabelas de preços aos privados para negociação

Mario Draghi, Presidente do Banco Central Europeu. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BCE discutiu pacote de medidas para estimular economia na reunião de julho

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Outros conteúdos GMG
Este é o ano: Glintt exporta máquinas de pagamento para Angola