Estes são os 10 mais ricos de Portugal

Alexandre Soares dos Santos
Alexandre Soares dos Santos

1. Alexandre Soares dos Santos: 2070 milhões de euros

Sector: Retalho alimentar

O presidente da Jerónimo Martins é um dos empresários
mais bem sucedidos do país. Tem uma assumida obsessão pelo rigor e
pontualidade no trabalho e recebeu o prémio Lifetime Achievement em
Mercados Financeiros em 2006, atribuído pela consultora Deloitte. No
ano passado, a sua empresa teve o melhor desempenho da bolsa de
Lisboa, algo que contribuiu para a sua ascensão ao topo das fortunas
em Portugal. Chegou a frequentar a Faculdade de Direito em Lisboa,
mas deixou de estudar quando foi trabalhar na Unilever. Em 1989,
estava no Brasil quando o pai, presidente da Jerónimo Martins,
morreu. Regressou a Portugal e conseguiu um crescimento
extraordinário da empresa. Apesar dos bons resultados, 2012 está a
ser um ano complicado: a crise e a retração no consumo obrigaram a
JM a entrar em promoções. No 1º de Maio, o desconto de 50% custou
dez milhões de euros à empresa.

2. Américo Amorim: 1900 milhões de euros

Sectores: Cortiça, moda, imobiliário, energia e banca

Aos 78 anos, Amorim é dono de um império que começou a
construir nos anos 50 na fábrica de rolhas de cortiça do avô.
Depois de fundada a Corticeira Amorim, em 1983, ficou conhecido como
o “Rei da Cortiça”, mas nos anos 80 e 90 decidiu
diversificar. Fundou o BPI, o BCP e o BNC (Banco Nacional de Crédito
Imobiliário) e a Telecel, que depois vendeu à Vodafone por 100
milhões. Em 2003 entrou no capital do Banco Popular, onde ainda hoje
se mantém, e em 2005 comprou 33,34% da Galp, que elegeu agora como
seu principal projeto. Este ano foi eleito chairman da petrolífera –
ainda na semana passada pagou 590 milhões de euros para ficar com
mais 5% e, consequentemente, seu principal acionista. Tem negócios
também em Angola e Moçambique. Apesar da fortuna, Amorim é um
homem simples: “Não me considero rico. Sou trabalhador”.

3. Família Guimarães de Mello: 700,1 milhões de euros

Sector: Autoestradas, saúde, indústria

A família Guimarães de Mello é, segundo a Exame, a terceira
mais rica de Portugal e tal como Américo Amorim gere ativos de
vários sectores. Além do grupo CUF (química), é ainda dona da
Mello Saúde (dos hospitais CUF), da Efacec, e da Brisa, a
principal concessionária de auto-estradas do país liderada por
Vasco de Mello. Em março, o fundo Tagus – que junta Vasco de
Mello à Arcus – lançou uma OPA sobre o restante capital da empresa,
inicialmente a 2,66 euros por ação. A OPA já foi entretanto
registada na CMVM, a 16 de julho e com um preço por ação de 2,76
euros, pouco mais que os 2,72 euros a que as cotações fecharam
ontem. A família Guimarães detém ainda ativos financeiros, como é
o caso da participação de 5% na EDP.

4. Belmiro de Azevedo: 680,9 milhões de euros

Sectores: Indústria, distribuição, centros comerciais, telecomunicações

Nascido nos arredores do Marco de Canavezes, em 1938, Belmiro de
Azevedo retrata ainda hoje a educação austera mas de bom
relacionamento que recebeu em jovem. Começou por se licenciar em
engenharia Química, no Porto. Depois, em 1975, cursou Gestão de
Empresas na Universidade de Harvard, nos EUA. Assumiu o
controlo da Sonae em 1974 e fez da empresa um exemplo de sucesso.
Para muitos, o o seu maior mérito é estimular empresas – o que
também tem contribuído para o desenvolvimento da Sonae, na qual
cedeu a cadeira executiva ao filho, Paulo Azevedo, em 2007. Mas a
crise custou-lhe caro. Em cinco anos, o empresário viu
desaparecer-lhe da fortuna mais de 2 mil milhões de euros. Tem agora
um património de 681 milhões, quase metade do que tinha há um ano.

5. Família Alves Ribeiro: 650,8 milhões de euros

Sectores: Construção, banca, imobiliário

A família Alves Ribeiro entrou, no ano passado, para o top ten
dos mais ricos de Portugal e diretamente para quinta posição. Este
ano soube agarra o lugar mas a sua fortuna passou de 779,7 milhões
para os 650,8 milhões de euros. É mais conhecida pela sua atividade
na construção, mas desde 1997 que o Grupo Alves Ribeiro,
fundado em 1931, gere também o Banco Invest (começou por ser banco
Alves Ribeiro e mudou de nome em 2005). Além disso é também o
grupo responsável pela Mundicenter, a empresa que gere vários
centros comerciais, como o Amoreiras, o primeiro centro comercial
moderno em Portugal, desenhado por Tomás Taveira. A Mundicenter gere
também o centro comercial de Alvalade.

6. Manuel Violas: 609,3 milhões de euros

Sectores: Família tem interesses nos sectores do jogo, turismo e hotelaria,
imobiliário e participações na banca (BPI) e cervejas (Unicer)

Rita e Manuel Violas estavam, no ano passado, na sétima posição
entre os mais ricos de Portugal, com uma fortuna calculada em 650,6
milhões de euros. Este ano, subiram ao sexto lugar, apesar de a
fortuna ter descido para 609,3 milhões de euros, afetada pela crise
da Bolsa. Naturais de Espinho, onde fez fortuna o patriarca,
industrial brasileiro e comendador Manuel Oliveira Violas, a família
detém negócios que incluem a cordoaria, o jogo (casinos de Espinho,
Vilamoura, Monte Gordo, Praia da Rocha, Vidago e Pedras Salgadas), a
hotelaria e o imobiliário, além de participações no BPI e na
cervejeira Unicer.

7. Cunha José de Mello: 560,0 milhões de euros

Sectores: Agro-alimentar, indústria

A família, composta pelos quatro irmãos, Manuel Alfredo, Ana
Mafalda, Maria Eugénia e Maria Isabel de Mello, são bisnetos do
fundador da CUF, Alfredo da Silva, e atualmente proprietários de um
dos maiores olivais do mundo, constituído por 12 mil hectares,
espalhados por Portugal, Espanha e Marrocos. A família detém a
marca Nutrinvest e ainda a Sovena. Só o grupo Sovena detém diversas
marcas espalhadas pelo mundo, em Portugal tem o Azeite Oliveira da
Serra e o Óleo Fula, no Brasil tem a segunda marca de azeite mais
vendida naquele país, o Andorinha. A Sovena vende anualmente cerca
de 161 mil toneladas de azeite e 283 mil toneladas de óleos
alimentares e diversos pontos do mundo. A génese deste grupo está
ligada à Companhia União Fabril (CUF), fundada em 1898.

8. Figueiredo dos Santos: 542,3 milhões de euros

Sectores: Retalho alimentar

O primo de Alexandre Soares dos Santos é um dos 11 acionistas
individuais que detêm cerca de 40% do capital da Jerónimo Martins
(controlada pela sociedade Francisco Manuel dos Santos). Aparece
frequentemente na lista dos mais ricos e, tal como o primo que lidera
o ranking, não viu a sua fortuna diminuir, apesar da crise, graças
ao bom desempenho da Jerónimo Martins em 2011. Pelo contrário,
subiu oito lugares no top: no ano passado, a sua fortuna era de 502,1
milhões e estava em 16º lugar. Fernando Figueiredo dos Santos, que
mantém um perfil mais reservado que outros membros do clã, geriu
várias empresas do universo Jerónimo Martins e ainda detém funções
em várias delas, sendo o único dos 11 acionistas com funções de
gestão.

9. Maria Isabel dos Santos: 542,3 milhões de euros

Sectores: Participação no Grupo Jerónimo Martins

A mulher portuguesa mais rica do país que passou a ser Maria
Isabel dos Santos. É também a primeira mulher a entrar
individualmente no ranking dos 10 portugueses mais ricos. A fortuna
de Isabel dos Santos baseia-se no facto de ser acionista do
grupo Jerónimo Martins. Não ocupa nenhum lugar nos órgãos
dirigentes do grupo de distribuição alimentar. Sendo também
familiar de Alexandre Soares dos Santos, o líder do grupo, Maria
Isabel dos Santos tem um património avaliado em 542,3 milhões
de euros. No ano passado, a mulher mais rica era Maria do Carmo Moniz
Galvão Espírito Santo, que este ano desceu para a 12.ª, com
ativos no montante de 500 milhões de euros.

10. Luís Silva: 521,0 milhões de euros

Sectores: Cinveste, holding de investimentos

O tenente-coronel Luís Silva e a mulher Maria Perpétua Bordalo
Silva fecham o top ten dos mais ricos, com uma fortuna avaliada em
521 milhões de euros. Detêm a Cinveste, uma holding de
investimentos que, ainda no mês passado, vendeu 2,82% da Zon à
empresária angolana Isabel dos Santos. Luís Silva ficou conhecido
como ex-proprietário da Lusomundo, o grupo mais tarde adquirido pela
Portugal Telecom (e agora pertença da Zona, após a separação da
PTM). Há vários anos que o casas Luís e maria Perpétua Silva se
encontra entre os 20 mais ricos do País. Luís Silva, açoriano de
raiz e piloto da Força Aérea, ganhou relevo na área dos cinemas e
de media, embora tenha progressivamente desinvestido no sector.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Marca do grupo Starwood quer proporcionar nova experiência de hotel aos clientes. Fotografia: Starwood

Conheça o primeiro quarto de hotel ativado por voz

PPP rodoviárias vão custar 1,2 mil milhões líquidos

Encargos com PPP aumentaram 5% no primeiro trimestre

Fotografia: Leonel de Castro/Globalimagens

Bruxelas classifica Pão de Ló de Ovar como produto protegido

Imobiliário continua a ser dos principais investimentos

Vistos Gold representam investimento de 2.2 mil milhões de euros

Mudar ou não de emprego. Fotografia: D.R.

18 sinais que indicam que deve mudar de emprego

A formação não precisa de custar muito dinheiro ou ser formal para lhe permitir acompanhar as mudanças no trabalho.

18 sites para o seu futuro que não pode ignorar hoje

Conteúdo Patrocinado
Estes são os 10 mais ricos de Portugal