portos

Estivadores de Setúbal anunciam greves parciais mas poupam Autoeuropa

Greve dos estivadores do Porto de Setúbal.
Em novembro de 2018, a PSP retirou os precários do Porto de Setúbal que estavam a impedir a entrada de um autocarro com trabalhadores contratados para carregar um navio com automóveis da Autoeuropa. (Carlos Santos/Global Imagens)

Os estivadores do Porto de Setúbal decidiram solidarizar-se com os estivadores de Lisboa e vão avançar com greves parciais a partir de 16 de março, mas poupam os navios da Autoeuropa, revelou à agência Lusa fonte sindical na quinta-feira.

“Os estivadores da Operestiva, que trabalham para a empresa Sadoport, do grupo Yilport, decidiram fazer duas horas de greve ao primeiro turno e uma hora de greve ao segundo turno”, disse à agência Lusa o presidente do Sindicato dos Estivadores Atividade Logística (SEAL), António Mariano.

O sindicalista acrescentou que “os trabalhadores afetos à empresa Setulsete, que faz a cedência de mão-de-obra às empresas Tersado e Setefrete, vão fazer greve ao trabalho suplementar aos dias úteis”.

“Os trabalhadores decidiram, no entanto, pelo menos para já, poupar a Navipor, empresa que opera os navios que asseguram o transporte de automóveis produzidos na fábrica da Autoeuropa, em Palmela”, frisou o dirigente.

Segundo António Mariano, as greves parciais decididas hoje, em plenários realizados com os estivadores da Operestiva e Setulsete, em Setúbal, “não são apenas uma forma de solidariedade com os trabalhadores do Porto de Lisboa, mas também uma mensagem de que não aceitam a estratégia das empresas de Lisboa, que também estão em Setúbal”.

“Os estivadores de Setúbal não aceitam esta estratégia de encerramento das empresas de trabalho portuário existentes, para depois abrirem outras ali ao lado, com perda de direitos e regalias dos trabalhadores”, disse António Mariano.

Os trabalhadores do Porto de Lisboa iniciaram no dia 19 de fevereiro uma greve parcial ao trabalho para quatro empresas de estiva deste porto que subscreveram uma proposta de redução salarial de 15% e o fim das progressões de carreira automáticas.

No entanto, no passado dia 21 de fevereiro, os estivadores de Lisboa decidiram convocar uma greve total, de 09 a 30 de março, face à decisão das sete empresas de estiva de pedirem a insolvência da Associação Empresa de Trabalho Portuário de Lisboa (A-ETPL), que cede mão-de-obra para a movimentação de cargas nos navios.

A assembleia-geral da A-ETPL decidiu, na semana passada, pedir a insolvência da associação, face à situação financeira da empresa e à alegada impossibilidade de encontrar soluções para a viabilização da referida empresa nas negociações com o SEAL.

O SEAL considera que “foram as próprias empresas de estiva que colocaram a A-ETPL à beira da insolvência, através de um processo de gestão danosa”, e lembra que o tarifário aplicado pela A-ETPL às empresas de estiva, que é definido pelas próprias empresas de estiva do Porto de Lisboa, não é atualizado há 26 anos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: Adelino Meireles/Global Imagens

TAP também vai avançar com pedido de layoff

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

Estivadores de Setúbal anunciam greves parciais mas poupam Autoeuropa