Transporte

ETE investe cinco milhões no reforço da operação fluvial

O 'Baía do Seixal' foi batizado pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino
O 'Baía do Seixal' foi batizado pela ministra do Mar, Ana Paula Vitorino

ETE vai construir novo cais fluvial em Castanheira do Ribatejo

O grupo ETE batizou esta quarta-feira o rebocador-empurrador ‘Baía do Seixal’, com o qual pretende dar um impulso significativo às operações fluviais, criando valor económico no rio Tejo. Num investimento de dois milhões de euros, a nova embarcação foi construída pela Navaltagus, outra das empresas do grupo,. Além disso, a ETE vai investir três milhões de euros, de forma faseada, no novo cais fluvial em Castanheira do Ribatejo.

Segundo o grupo ETE, “as características únicas” deste rebocador-empurrador – “é uma embarcação inovadora pelo baixo calado, pelo comprimento reduzido e pela elevada potência, o que permite operações em zonas estreitas e sinuosas do rio e com fundos baixos”, explica a empresa em comunicado – contribuem para aumentar o valor económico do rio Tejo, ao tornarem esta via navegável de Lisboa até Valada do Tejo.

“Abre-se, assim, caminho para o emergir de mais portos fluviais no rio, o que contribuirá para o desenvolvimento do porto de Lisboa, ao mesmo tempo que permitirá viabilizar a instalação de atividades económicas suportadas no transporte fluvial de mercadorias em zonas anteriormente de difícil acesso”, pode, ainda, ler-se no documento.

Além de destacar os ganhos ambientais do transporte fluvial, cuja pegada ambiental é oito a 10 vezes inferior ao transporte rodoviário, mas também o seu efeito no desenvolvimento do tecido empresarial e na criação de emprego, bem como no impulsionar do crescimento da atividade de construção e reparação naval, o grupo ETE lembra que o rio Tejo já teve 14 portos fluviais, dez mais do que os atuais. E, por isso, anuncia que tem já em curso um projeto para a construção e exploração de um novo cais fluvial em Castanheira do Ribatejo, num investimento total, faseado, de três milhões de euros.

Um milhão é o custo da construção do novo cais e dois milhões destinam-se aos gastos com equipamento. O estudo de impacto ambiental está já em apreciação na Agência Portuguesa do Ambiente e o grupo ETE constituiu já a empresa Companhia do Porto da Castanheira, que assegurará a movimentação de contentores e outras mercadorias junto à Plataforma Logística de Lisboa Norte.

O cais irá desenvolver o intermodalismo do Porto de Lisboa, pois fará a ligação entre os diversos terminais deste porto e a plataforma logística, “contribuindo de forma significativa para o descongestionamento rodoviário no perímetro urbano de Lisboa, estimando-se uma redução de 250 camiões por dia, podendo atingir uma redução de 750 camiões ao dia”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Sede Caixa Geral de Depósitos, em Lisboa

As respostas da CGD sobre o plano de recapitalização

Foto: Jorge Amaral / Global Imagens

BES. BdP avisou mas acionistas foram “passivos”

Foto: DR

CGD com melhor taxa do que Banco Popular de Espanha, diz Governo

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
ETE investe cinco milhões no reforço da operação fluvial