China

EUA incluem portal chinês entre entidades que vendem produtos falsos

Fotografia: REUTERS/Tyrone Siu
Fotografia: REUTERS/Tyrone Siu

Estados Unidos incluiu o portal chinês de comércio eletrónico Taobao, do grupo Alibaba

O Governo dos Estados Unidos incluiu o portal chinês de comércio eletrónico Taobao, do grupo Alibaba, numa lista de entidades que promovem falsificações e pirataria, numa decisão que a empresa sugere ter motivações políticas.

Um relatório do Gabinete do Representante do Comércio Externo (USTR) dos EUA colocou o Taobao como uma das plataformas que facilitam as violações dos direitos de propriedade intelectual, quatro anos após ter excluído a empresa daquela categoria.

“Questionamos se o USTR atuou com base em factos reais ou foi influenciado pelo atual clima político”, disse o Presidente do grupo Alibaba, Michael Evans, em comunicado.

“Estamos muito mais eficazes e avançados na proteção dos direitos de propriedade intelectual do que quando o USTR nos tirou da lista há quatro anos. A decisão ignora o trabalho feito pelo Alibaba”, aponta.

Também na China o Alibaba foi acusado de vender produtos contrafeitos, segundo um relatório conjunto da Administração Estatal da Indústria e Comércio e da Associação de Consumidores, difundido no ano passado.

O relatório detalha que 41% dos produtos vendidos através das plataformas digitais chinesas são cópias.

Em maio, a Coligação Internacional Antifalsificações, dedicada à perseguição da pirataria e dos produtos falsos, suspendeu o Alibaba, devido às “preocupações” manifestadas por outros membros.

A empresa chinesa diz que aumentou os esforços para detetar a venda de falsificações nas suas plataformas, nos últimos anos, através da cooperação com a polícia chinesa ou a organização de encontros com grandes marcas internacionais.

“As mais de 100.000 marcas que operam no Alibaba não podem estar todas enganadas. É uma demonstração clara de confiança que os titulares dos direitos depositam em nós”, afirmou Evans.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Miguel A. Lopes/Lusa

Eduardo Cabrita será o novo ministro da Administração Interna

costa

Costa: “se quer ouvir-me pedir desculpas, eu peço desculpas”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. (Fotografia: RODRIGO ANTUNES/LUSA)

Marcelo pede ao Parlamento que clarifique se quer manter Governo em funções

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
EUA incluem portal chinês entre entidades que vendem produtos falsos