China

EUA incluem portal chinês entre entidades que vendem produtos falsos

Fotografia: REUTERS/Tyrone Siu
Fotografia: REUTERS/Tyrone Siu

Estados Unidos incluiu o portal chinês de comércio eletrónico Taobao, do grupo Alibaba

O Governo dos Estados Unidos incluiu o portal chinês de comércio eletrónico Taobao, do grupo Alibaba, numa lista de entidades que promovem falsificações e pirataria, numa decisão que a empresa sugere ter motivações políticas.

Um relatório do Gabinete do Representante do Comércio Externo (USTR) dos EUA colocou o Taobao como uma das plataformas que facilitam as violações dos direitos de propriedade intelectual, quatro anos após ter excluído a empresa daquela categoria.

“Questionamos se o USTR atuou com base em factos reais ou foi influenciado pelo atual clima político”, disse o Presidente do grupo Alibaba, Michael Evans, em comunicado.

“Estamos muito mais eficazes e avançados na proteção dos direitos de propriedade intelectual do que quando o USTR nos tirou da lista há quatro anos. A decisão ignora o trabalho feito pelo Alibaba”, aponta.

Também na China o Alibaba foi acusado de vender produtos contrafeitos, segundo um relatório conjunto da Administração Estatal da Indústria e Comércio e da Associação de Consumidores, difundido no ano passado.

O relatório detalha que 41% dos produtos vendidos através das plataformas digitais chinesas são cópias.

Em maio, a Coligação Internacional Antifalsificações, dedicada à perseguição da pirataria e dos produtos falsos, suspendeu o Alibaba, devido às “preocupações” manifestadas por outros membros.

A empresa chinesa diz que aumentou os esforços para detetar a venda de falsificações nas suas plataformas, nos últimos anos, através da cooperação com a polícia chinesa ou a organização de encontros com grandes marcas internacionais.

“As mais de 100.000 marcas que operam no Alibaba não podem estar todas enganadas. É uma demonstração clara de confiança que os titulares dos direitos depositam em nós”, afirmou Evans.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Margrethe Vestager, comissária europeia da Concorrência deverá dar o anúncio sobre a multa dentro de horas.

Google multada em 2,424 mil milhões de euros por violar leis europeias

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, à chegada para a reunião da Comissão Permanente de Concertação Social, na sede do Conselho Económico e Social, em Lisboa, 22 de julho de 2016. MÁRIO CRUZ/LUSA

Reformas antecipadas para carreiras longas chegam no 4º trimestre deste ano

Mariana Mazzucato, no Fórum BCE, em Sintra. Fotografia: Banco Central Europeu

Investimento. “Estavam à procura de uma coisa e encontraram o Viagra”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
EUA incluem portal chinês entre entidades que vendem produtos falsos