Tech

EUA investiga TikTok por suspeita de risco de segurança nacional

REUTERS/Danish Siddiqui/Illustration/File Photo
REUTERS/Danish Siddiqui/Illustration/File Photo

Companhia detida pela chinesa ByteDance poderá ter de se desfazer da aplicação norte-americana Musical.ly, que comprou em 2017.

A TikTok, uma aplicação chinesa de partilha de vídeos curtos, está a ser investigada pelas autoridades norte-americanas por suspeita de potencial risco de segurança nacional, depois da compra em 2017 da aplicação norte-americana Musical.ly estar sobre forte escrutínio nos últimos meses.

O Comité de Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos (CFIUS), que analisa as compras e investimentos feitos por empresas estrangeiras, nunca aprovou a compra, já que a TikTok é detida pela startup chinesa ByteDance e, segundo noticiou a Reuters, citando duas fontes, o organismo abriu uma investigação que poderá levar a que a ByteDance se desfaça deste ativo, comprado em 2017 e que, em meados de 2018, fundiu dados com a TikTok.

Já não é a primeira vez que a CFIUS intervém em aquisições de empresas nacionais por capital estrangeiro. Em março o organismo forçou a companhia chinesa Kunlun Tech a vender a Grindr depois de concluir que a propriedade estrangeira da aplicação de encontros apresentava um risco para a segurança nacional.

“Apesar de não podermos comentar em processos regulatórios em curso, a TikTok tornou claro que a nossa maior prioridade é ganhar a confiança dos utilizadores e reguladores nos Estados Unidos. Parte desse esforço inclui trabalhar como Congresso e estamos comprometidos em fazer isso”, disse a TikTok, citada pela Reuters.

Nos últimos seis meses a TikTok tem estado sob forte escrutínio pela sua ligação à China. A companhia está sedeada nos EUA, país onde diz armazenar todos seus dados, com sistema de backup em Singapura. “Os nossos centros de dados estão inteiramente localizados fora da China, e nenhuma da nossa informação é sujeita à lei chinesa”, disse a companhia no mês passado em comunicado.

Mas a empresa tem sido criticada por transpor regras de censura chinesas para a sua operação no mercado externo. Em setembro, uma investigação do Guardian revelou que as diretrizes de moderação, em vigor até maio deste ano, instruíam explicitamente os moderados a esconder conteúdos que fizessem referência à Praça de Tiananmen, Falun Gong ou à independência de Taiwan.

“Nunca nos foi pedido pelo governo chinês que removêssemos qualquer conteúdo e não faríamos isso se nos fosse pedido”, disse a companhia citada pelo Guardian. “Não somos influenciados por qualquer governo estrangeiro, incluindo o chinês; a TikTok não opera na China, nem temos intenção de o fazer no futuro”.

Neste mercado, a ByteDance tem a Douyin, que partilha características semelhantes à TikTok.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
EUA investiga TikTok por suspeita de risco de segurança nacional