Empresas

EUA revêem em baixa para 1,75% a taxa anti-dumping da Navigator

Navigator

A revisão em baixa da taxa 'anti-dumping' terá um impacto de dois milhões nos lucros líquidos deste ano.

O Departamento de Comércio dos Estados Unidos da América (EUA) notificou esta quarta-feira a Navigator que a taxa anti-dumping final a aplicar retroativamente nas vendas de papel para os EUA, para o período compreendido entre agosto de 2015 e fevereiro de 2017 (o “first period of review”) foi revista em baixa para 1,75%.

Em agosto, a empresa tinha sido notificada que a taxa final sobre as vendas daquele período seria de 37,34%, embora em março, a mesma autoridade norte-americana tenha anunciado que a taxa anti-dumping a aplicar seria de 0%.

Esta taxa começou a aplicar-se às vendas para os EUA desde 13 de agosto de 2018, substituindo a anteriormente aplicável até essa data de 7,8%.

“É de bom grado que a Navigator observa que os EUA, mercado onde vende os seus produtos há mais de 17 anos, se pautam pelo regular, transparente e eficaz funcionamento das Instituições, que reconhece os argumentos das partes, facultando o direito de resposta e não o reduzindo a um mero pro-forma”, afirma a empresa em comunicado, após a taxa ter sido recalculada.

Depois da revisão, e ao invés da aplicação da taxa ter um impacto negativo de 66 milhões de euros no EBITDA e de 45 milhões de euros nos lucros líquidos do ano em curso, como já tinha sido anunciado, o impacto estimado, ainda negativo, passa a ser de cerca de três milhões de euros no EBITDA e de dois milhões de euros nos lucros líquidos do ano corrente.

A empresa adianta ainda que irá dar início a um processo de pedido de reembolso no valor de aproximadamente 22 milhões de euros, que corresponde à diferença entre os montantes depositados até fevereiro de 2017 e o agora apurado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno, fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

IRS: Escalões vão absorver parte do aumento salarial de 2019

António Costa, que cumprimenta João Oliveira, com Jerónimo de Sousa e Catarina Martins© Lusa

Quanto valem as medidas negociadas à esquerda?

Outros conteúdos GMG
EUA revêem em baixa para 1,75% a taxa anti-dumping da Navigator