Tecnologia

EUA suspendem por três meses aplicação de sanções à Huawei

Fotografia: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration
Fotografia: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration

Os EUA suspenderam por três meses o sancionamento da Huawei, que vai assim poder utilizar componentes e programas informáticos norte-americanos antes da aplicação efetiva das sanções contra o grupo chinês.

Na segunda-feira, o Governo norte-americano pareceu querer acalmar a tensão com os chineses, ao decidir este período transitório de 90 dias, que pode ser aproveitado pela Huawei e os seus parceiros comerciais para se adaptarem.

“Esta autorização geral temporária dá (ao setor) tempo para se reorganizar e ao Departamento (do Comércio) a possibilidade de determinar as medidas apropriadas a longo prazo para as empresas de telecomunicações norte-americanas e estrangeiras, que hoje se servem dos equipamentos da Huawei para alguns serviços essenciais”, indicou o secretário do Comércio, Wilbur Ross, em comunicado.

Em resumo, esta decisão vai permitir aos utilizadores de equipamentos Huawei continuar a utilizá-los.

Em contexto de guerra comercial entre Pequim e Washington, o Presidente norte-americano, Donald Trump, decidiu na semana passada interditar as exportações de produtos tecnológicos norte-americanos para algumas empresas consideradas “de risco” para a segurança nacional. O conglomerado Huawei encontrou-se assim na lista negra de Washington.

A Google, cujo sistema Android equipa a imensa maioria dos ‘smartphones’ no mundo, anunciou no domingo que ia cortar as ligações com a Huawei, o que teria por resultado impedir o grupo chinês de aceder a alguns serviços do Android e das suas aplicações Gmail ou Google Maps.

Esta decisão afetaria uma série de empresas norte-americanas, das vendedoras de programas informáticos às produtoras de semicondutores que fornecem a Huawei.

Esse grupo chinês é não apenas o número dois dos ‘smartphones’. Mas também um dos líderes dos equipamentos das redes de telecomunicações.

Presente em 170 dias, o grupo é suspeito pelos EUA de espionagem em proveito de Pequim, que teria largamente contribuído para a sua ascensão internacional. Washington já tinha proibido aos seus militares a utilização de equipamentos Huawei, a qual desmente firmemente qualquer espionagem.

Washington receia que o grupo seja um “cavalo de Troia” da China, devido designadamente ao passado militar do seu patrão. E, em especial, a uma lei, votada em 2017, que obriga as grandes empresas chinesas a cooperarem com os serviços de informações do país.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Remessas de emigrantes voltam a disparar. Crescem 12,5% até julho

Remessas de emigrantes voltam a disparar. Crescem 12,5% até julho

O secretário Geral do Partido Socialista, António Costa (C) acompanhado pelo cabeça de lista do PS às eleições Europeias, Pedro Marques (E) e pelo Socialista Mário Centeno (D) num jantar comício em Setúbal no âmbito da campanha para as Eleições Europeias 2019. 22 de maio de 2019. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Centeno aponta margem de 200 milhões para aumentos na Função Pública

O ministro das Finanças, Mário Centeno, discursa na  Convenção Nacional do PS a decorrer no Pavilhão Carlos Lopes, Lisboa, 20 de julho de 2019.  O Partido Socialista apresenta as suas propostas para as eleições legislativas de outubro, como conclusão das sessões organizadas sob o lema "Porque #TodosDecidem". MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Centeno. “No programa do BE passamos do fazer acontecer para fazer desaparecer”

Outros conteúdos GMG
EUA suspendem por três meses aplicação de sanções à Huawei