Agricultura

Eugénio de Almeida. “Produzir amêndoa antes do Alqueva era impensável”

A carregar player...

Além dos 120 mil hectares onde o Alqueva já chega, está previsto o aumento da área regada em 50 mil hectares até 2022. A Fundação Eugénio de Almeida (EA), histórica produtora de vinho regional alentejano, foi uma das empresas que apanhou a onda do maior lago artificial da Europa. No ano passado, começou a produzir amêndoa.

“Antes do Alqueva seria impensável. Plantámos 140 hectares e é uma cultura muito promissora no que toca ao contributo que pode dar à Fundação”, afirma Pedro Batista, enólogo da EA. Para já, a empresa, conhecida pela produção dos vinhos Cartuxa, Pêra Manca e EA, vende a amêndoa aos grandes operadores do mercado ibérico. “Mas não colocamos de parte vir a comercializar com a nossa marca”, revela o enólogo.

Nos últimos dez anos, os investimentos da Fundação no Alentejo ascenderam a 50 milhões de euros. O maior investimento, de 20 milhões, foi aplicado em duas adegas em Évora. Afinal, o vinho, cuja produção também aumentou graças à barragem, representa 90% das exportações da EA. Os restantes 10% são referentes a vendas de azeite, que ao contrário do que acontece hoje um pouco por todo o Alentejo, não é produzido de forma super-intensiva, apesar de Pedro Batista garantir que não tem “nada contra” o olival da polémica.

“Não adotamos porque só trabalhamos com variedades tradicionais portuguesas, algo que o olival super-intensivo não permite. Mas é uma opção interessante, que tem a vantagem de não estar dependente de mão-de-obra, tão difícil de arranjar”. Em fase de estágio está a internacionalização do vinho da Fundação para a China.

A Fundação exporta sobretudo para o Brasil, EUA e Angola. Mas tem no gigante asiático uma prioridade para os próximos anos. Mas há um problema por resolver. “O vinho que gostávamos de vender na China não é o que eles querem comprar. Querem Cartuxa e Pêra Manca, mas não temos capacidade de produção. Teríamos de abdicar de mercados estratégicos como o Brasil, o que é impensável”, explica João Teixeira, diretor comercial da Fundação EA.

A última colheita de Pêra Manca, o vinho que segundo a lenda selou o encontro entre Pedro Álvares Cabral e os indígenas no Brasil, em 1500, é de 2014. A colheita deste ano “parece ter potencial”, mas é cedo para ter certezas. Para as restantes colheitas as expetativas da EA são altas. Mesmo sem negócios da China.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, conversa com o primeiro-ministro indigitado, António Costa, durante uma audiência para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Primeira reunião do novo governo marcada para sábado a seguir à tomada de posse

Outros conteúdos GMG
Eugénio de Almeida. “Produzir amêndoa antes do Alqueva era impensável”