auditoria

Entrada no capital do Montepio não partiu da Misericórdia

Pedro Santana Lopes. Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens
Pedro Santana Lopes. Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens

Santana Lopes, reiterou hoje que a eventual entrada daquela entidade no capital do Montepio não partiu da instituição.

O ex-provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), Santana Lopes, reiterou hoje que a eventual entrada daquela entidade no capital do Montepio não partiu da instituição.

“Se as pessoas forem aos jornais de há meses atrás, verão declarações de membros do Governo e minhas, entrevistas a televisões, nas quais está lá claro. Eu ontem [terça-feira] pus no comunicado o que é que se passou e não vou voltar a repetir o que está no comunicado, a iniciativa não foi, de facto, da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa”, disse.

De acordo com Santana Lopesa, que falava aos jornalistas em Portalegre à margem de uma ação de campanha para a liderança do PSD, todo o processo partiu de outras entidades.

“O processo nasceu, julgo até também do Banco de Portugal, do Montepio, de conversas de um projeto talvez do Montepio. À Santa Casa só podia ser uma entidade a propor, a tutela da Santa Casa é o Ministério da Solidariedade e da Segurança Social”, disse.

“O Governo fez aquilo que entendeu dever fazer. Eu tal, como disse no comunicado, que o assunto foi tratado com cortesia e com correção, falo verdade. Se as pessoas lerem o comunicado todo e não só as partes que mais lhes convêm, está lá tudo e nomeadamente de quem foi a iniciativa”, acrescentou.

O líder parlamentar do PSD, Hugo Soares, introduziu hoje no debate a questão da eventual entrada da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no capital do Montepio, questionando “a que título” o ministro do Trabalho, Segurança Social e Solidariedade “solicitou à Santa Casa que investisse no capital” do banco.

O primeiro-ministro recuperou, a este propósito, um comunicado emitido na terça-feira pelo ex-provedor da Santa Casa e candidato à liderança do PSD, Pedro Santana Lopes.

Nesse comunicado, Santana Lopes lembra que, quando deixou funções, estava em curso uma auditoria e ainda nenhuma decisão tinha sido tomada.

“A auditoria continua, não está concluída e continua a não estar tomada qualquer decisão”, assegurou António Costa.

Sobre este tema, gerou-se uma discussão entre o líder parlamentar do PSD e o primeiro-ministro sobre quem tinha tomado a iniciativa de sugerir esta operação, depois de António Costa ter dito que a “manifestação de interesse” ao Governo sobre o Montepio teria partido da Santa Casa.

“Veio agora mudar o filme da história. É bom para sabermos quem está a mentir, se é a Santa Casa ou o primeiro-ministro”, acusou Hugo Soares.

O deputado do PSD criticou ainda uma expressão utilizada recentemente pelo primeiro-ministro, que se referiu a 2017 como “um ano saboroso”, perante funcionários portugueses de instituições em Bruxelas.

“Depois de todo este debate, ficou muito claro que este ano para os portugueses foi um ano bem penoso e a responsabilidade é sua”, acusou.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa. Foto: Rodrigo Antunes/EPA

Costa agradece às forças armadas e defende o seu uso com analogia futebolística

O primeiro-ministro, António Costa. Foto: Rodrigo Antunes/EPA

Costa agradece às forças armadas e defende o seu uso com analogia futebolística

Francisco São Bento, presidente do SNMMP. Foto: Sara Matos/Global Imagens

Cinco momentos chave numa greve de sete dias

Outros conteúdos GMG
Entrada no capital do Montepio não partiu da Misericórdia