Exportar ajuda à economia. Mas exportações portuguesas têm cada vez menos tecnologia

Foto: DR
Foto: DR

Nas últimas décadas, Portugal reforçou a aposta em investigação e desenvolvimento (I&D) numa tentativa de alcançar os países mais desenvolvidos do Mundo. Mas, desde que a crise começou, em 2009, o investimento em I&D já caiu 10% e corremos o risco de entrar em retrocesso.

Manuel Mira Godinho, economista que se tem dedicado ao estudo da inovação e da I&D em Portugal, alerta para o perigo de “deitarmos a perder todo aquele esforço de décadas” e, em vez de registarmos melhorias económicas graças ao contributo da I&D, “acabarmos por retornar ao modelo dos anos 80, baseado em baixa tecnologia e baixos custos de produção”. Este é, também, o aviso que o economista deixa no livro “A Inovação em Portugal” que lança, amanhã, na fundação Francisco Manuel dos Santos, onde será orador na conferência “Ciência, Economia e Crise”.

De acordo com o autor, o investimento em I&D em Portugal, público e privado, em 2009, era, em média, de 267 euros por habitante; o que compara com a média europeia, próxima dos 500 euros, e com a dos países do Norte da Europa, que supera os 1.000 euros por habitante. No ano passado, em Portugal, aquele valor desceu para 234 euros.

“É natural que a crise tenha desacelerado o investimento em I&D por parte do Estado e das empreas, mas é preciso ver que há uma capacidade instalada nas universidades, fruto do investimento de décadas, que corre agora o risco de se tornar insustentável”, aponta Manuel Mira Godinho.

E, com a falta de investimento para projetos de investigação, surge outro problema: “Ainda não é um fenómeno em massa, mas os jovens muito qualificados que estão a emigrar para a Alemanha, para o Reino Unido, para os EUA ou para o Norte da Europa são uma enorme perda para o país, depois do sacrifício que foi feito para os formar”.

As exportações têm sido apontadas como “solução para a crise, e bem”, refere o economista. “Mas as nossas exportações só se têm baseado no fator custo, e muito no custo laboral, tendo vindo a perder valor nas exportações de média e alta tecnologia que, em 2007, representavam 12% das exportações e, hoje, segundo os dados mais recentes, representam apenas 7%”, adianta Mira Godinho.

Para o economista, há duas possibilidades para inverter a situação rapidamente. “Os fundos do QREN e as novas políticas estruturais para 2013-2020 podem contribuir para termos políticas mais ajustadas. Não é que as políticas atuais estejam erradas, mas há problemas que as políticas atuais não conseguem resolver e que têm a ver com os comportamentos dos agentes económicos ou dos consumidores, por exemplo”, considera Mira Godinho.

A melhoria do clima social por via da educação será, na perspetiva do economista, o segundo passo a tomar. “Se a sociedade não acarinhar a criatividade, se a desconfiança instalada nas pessoas continuar a minar o potencial de colaboração que é necessário para a inovação, não haverá melhorias a nível da I&D. E, atualmente, a sociedade portuguesa está mais fragmentada e dividida do que nunca. Temos um baixo capital social”, conclui.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes. MÁRIO CRUZ/LUSA

Famílias ficam com um pouco mais de salário ao final do mês

Miguel Almeida, CEO da NOS

Comité de Ética da NOS vai ouvir os administradores envolvidos no Luanda Leaks

O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, discursa durante a cerimónia de tomada de posse do XXII Governo Constitucional, liderado pelo secretário-geral do Partido Socialista (PS), António Costa, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 26 de outubro de 2019. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: É bem-vindo a Portugal todo o investimento no respeito da legalidade

Exportar ajuda à economia. Mas exportações portuguesas têm cada vez menos tecnologia