Emprego

EY contrata 200 novos talentos e aposta na diversidade acadécima

Jovens a estudar

A EY não só apostou em estudantes oriundos das áreas Financeiras e de Gestão como também de Ciências, Tecnologias, Engenharias e Matemáticas. 

A consultora EY recrutou 200 novos talentos de várias áreas académicas. Este mês, 130 começam já a formação inicial e os restantes darão início à atividade em janeiro, após terminarem os respetivos mestrados.

A formação inicial – Induction 2018 – dura várias semanas e tem como objetivo dar a conhecer aos recém mestrados a cultura, os valores e as práticas da consultora. Durante este período, os novos talentos vão ainda receber a formação técnica necessária para o exercício das novas funções.

As contratações surgem na sequência de um “longo e exigente processo de seleção e avaliação que decorreu no princípio deste ano nas mais importantes universidades portuguesas, com o objetivo de identificar talento e potencial nos jovens estudantes nacionais”, refere a consultora em comunicado.

A EY não só apostou em estudantes oriundos das áreas Financeiras e de Gestão como também procurou talentos de Ciências, Tecnologias, Engenharias e Matemáticas.

“A EY é uma empresa de carreiras e não de empregos e por isso, os estudantes vão integrar a EY com um vínculo efetivo, e serão envolvidos, desde o primeiro dia, num vasto plano de formação tanto teórica como on job. E o EY Induction 2018 é o primeiro passo. Este programa é não só importante para garantir a melhor integração na empresa mas também para demonstrarmos como iremos capitalizar o potencial de cada um destes talentos e dos seus perfis académicos completamente distintos”, afirma Margarida Dias, diretora de Recursos Humanos da EY Portugal.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Assembleia da República. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Gestores elegem medidas para o novo governo

Joana Valadares e a sócia, Teresa Madeira, decidiram avançar em 2015, depois do encerramento da empresa onde trabalhavam há 20 anos. Usaram o Montante Único para conseguir o capital necessário e a Mimobox arrancou em 2016. Já quadruplicaram o volume de negócios. (Foto cedida pelas retratadas)

Desempregados que criam negócios geram mais emprego

Salvador de Mello, CEO do grupo CUF (Artur Machado/Global Imagens)

CUF vai formar alunos médicos de universidade pública

Outros conteúdos GMG
EY contrata 200 novos talentos e aposta na diversidade acadécima