aviação

Embraer em Évora passa para empresa anunciada com Boeing

Fotografia: D.R.
Fotografia: D.R.

A fábrica da brasileira Embraer em Évora deve passar para o controlo da nova empresa que será criada em parceria Boeing

A fábrica da brasileira Embraer em Évora deve passar para o controlo da nova empresa que será criada em parceria Boeing, segundo um comunicado enviado hoje aos funcionários.

Obtido pelo portal de notícias brasileiro G1, o comunicado interno assinado pelo presidente da Embraer, Paulo Cesar de Souza e Silva, diz que sobre a divisão das unidades a direção já decidiu que “ficarão com a joint venture da aviação comercial as unidades Faria Lima, EDE, Taubaté, Évora e Nashville”.

“As unidades de Gavião Peixoto, Botucatu, Eugênio de Melo, Ogma [em Lisboa] e Melbourne ficam com certeza na Embraer. Com relação às demais unidades e escritórios, ainda estamos a definir a melhor estratégia”, diz o mesmo informativo.

O presidente da Embraer também esclareceu que “em relação às pessoas, ainda há muito a ser detalhado, mas adianto-vos que de forma geral os funcionários hoje dedicados 100% às atividades ligadas à aviação comercial, incluindo equipa de suporte e serviços, irão para a nova empresa”.

“Para as equipas dedicadas à defesa e segurança, aviação executiva, aviação agrícola, serviços e suporte, nada muda. O mesmo se aplica às empresas coligadas e subsidiárias. Os funcionários dedicados a mais de uma unidade de negócio ou que atuam em atividades corporativas serão remanejados conforme necessidade da Embraer e da joint venture da aviação comercial. Isso será detalhado futuramente”, acrescentou.

A fabricante de aeronaves brasileira Embraer e a norte americana Boeing anunciaram hoje que assinaram um memorando para a criação de uma nova empresa dedicada ao fabrico de aeronaves comerciais no valor de 4,75 mil milhões de dólares (4 mil milhões de euros).

Ao anunciar a intenção de criar esta ‘joint venture’ (parceria), as empresas informaram que a Boeing deterá 80% da propriedade e a Embraer os 20% restantes.

A Boeing terá o controlo operacional e de gestão da nova empresa, que responderá diretamente a Dennis Muilenburg, presidente, chairman e CEO da Boeing.

O acordo definitivo entre as duas companhias deve ser assinado até o fim de 2019.

No entanto, para que o negócio seja fechado será preciso obter aprovação do Governo brasileiro, que detém uma ‘golden share’ (ação com poderes especiais) na Embraer, que lhe permite vetar este tipo de transação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
16. Empregados de mesa

Oferta de emprego em alta no verão segura aumento de salários

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

Marcelo aprova compra do SIRESP. Governo fica com “acrescidas responsabilidades”

draghi bce bancos juros taxas

BCE volta a Sintra para o último Fórum com Draghi na liderança

Outros conteúdos GMG
Embraer em Évora passa para empresa anunciada com Boeing