energia solar

Fábrica portuguesa é a primeira do mundo a trabalhar 100% a energia solar

Manuel Lu’s Martins, CEO da Wood One.
Foto: Igor Martins / Global Imagens
Manuel Lu’s Martins, CEO da Wood One. Foto: Igor Martins / Global Imagens

É a primeira do mundo a conseguir o feito de só depender de si própria para ter recursos energéticos. A Wood One já esteve à beira da falência

Contam-se exatamente 1485 painéis solares, capazes de produzir, cada um, 400 kilowatts por mês. São eles que fazem da Wood One uma indústria pioneira a nível mundial: é a primeira fábrica autossustentável a energia solar.

A empresa de de mobiliário de escritório, geriátrico, hospitalar, escolar e de hotelaria de Lordelo, Paredes, em vias de falir há oito anos, prepara-se agora para crescer exponencialmente com as novas instalações e novos mercados.

“Em 2008, a empresa faturava 500 mil euros, tinha 21 funcionários e estava prestes a encerrar. Decidi comprá-la, mantive os funcionários e investi em novas instalações e máquinas que nos permitiram fazer o que a concorrência não fazia”, recorda Manuel Luís Martins, 52 anos, CEO da Wood One.

O investimento de quase dois milhões de euros foi comparticipado pelo Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) e permitiu “aumentar a faturação 300%”, como recorda o empresário, que começou por ser diretor comercial noutra empresa até que, há oito anos, decidiu trabalhar por conta própria.

Mal abriram as candidaturas do Portugal 2020, a Wood One já tinha a candidatura preparada e foi das primeiras a ser aprovada: desta vez, 6,3 milhões de euros foram investidos na construção das novas instalações de 11 mil metros quadrados e nos painéis solares, na compra de máquinas de última geração e na contratação de mais três dezenas de funcionários.

Manuel Lu’s Martins, CEO da Wood One. Foto: Igor Martins / Global Imagens

Manuel Lu’s Martins, 52 anos, é o CEO da Wood One. Comprou a empresa quando estava à beira da falência. Hoje a faturação aumentou 300%. Foto: Igor Martins / Global Imagens

“Já estamos com 53 postos de trabalho e vamos ter de contratar outros dez em breve”, anuncia Manuel Luís Martins, um CEO que se gaba de “dar aumentos salariais antes de serem pedidos” e “sempre que um trabalhador domina máquinas novas ou cumpre objetivos”.

Tal como a proximidade da administração e dos trabalhadores – o gabinete do CEO abre diretamente para a área de produção – foi considerada “fundamental para manter a equipa motivada e dedicada”, a autossuficiência energética da fábrica era uma necessidade evidente: “Só em energia elétrica, temos uma conta mensal de sete mil euros. A poupança com energia solar é mais do que relevante”, aponta o CEO, explicando que também as aparas de madeira recolhidas nas máquinas de corte de madeira são aproveitadas para aquecer as estufas de pintura e a própria fábrica no inverno.

“Já estamos com 53 postos de trabalho e vamos ter de contratar outros dez em breve”, anuncia Manuel Luís Martins

“A única coisa que me tem aborrecido é que o contrato [Portugal 2020] não me permite doar a energia que sobra durante o fim de semana quando não estamos a trabalhar. Tenho desgosto em pensar no desperdício, por isso estou a pensar criar postos de carregamento de veículos elétricos dentro da empresa para, ao fim de semana, as frotas das autarquias poderem vir aproveitar gratuitamente o que produzirmos. Caso contrário, temos de desligar os painéis para não haver sobrecarga”, confidencia o empresário.

Este ano, a Wood One deverá faturar perto de seis milhões de euros só no mercado interno. E estão em vista dois potenciais contratos nos Emirados Árabes Unidos (EAU) – um de 8,5 milhões de euros para mobilar 325 apartamentos e outro de 25 milhões de euros para equipar um hotel de 40 pisos – que podem fazer disparar os números, se não este ano, pelo menos no próximo.

O CEO gaba-se de “dar aumentos salariais antes de serem pedidos”

“Em 2015 só exportamos 20% da produção, este ano vamos subir para 35% e, se estas encomendas se concretizarem, então será um valor superior”, contabiliza o CEO, identificando os Emirados Árabes Unidos, a Europa (Espanha, França e Reino Unido), África (Angola e Moçambique) como principais mercados de destino. Rússia e América Latina estão identificados como mercados emergentes para a empresa do Norte.

No que respeita a produtos, o mobiliário de escritório e hospitalar continua a ser o que mais contribui para a faturação da empresa (que é uma das frequentes fornecedoras do Estado), embora “a hotelaria esteja a crescer a passos largos para se tornar o segmento número um”.

Paredes 02 / 06 / 2016 - Wood One torna-se a primeira empresa portuguesa energeticamente autossuficiente. A empresa mudou recentemente de instalações para a Rua da Zona Industrial, nº 330, Lordelo, Paredes. ( Igor Martins / Global Imagens )

Número de postos de trabalho subiu de 21 para 53 e o CEO espera contratar mais 10 pessoas nos próximos tempos. Foto: Igor Martins / Global Imagens

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Só 789 empresas mantiveram lay-off simplificado em agosto

Fábrica portuguesa é a primeira do mundo a trabalhar 100% a energia solar