Fábricas de Évora da Embraer já produzem peças para novo avião militar KC-390

As primeiras peças do novo avião militar KC-390 da construtora aeronáutica Embraer já começaram a ser produzidas nas fábricas de Évora da empresa brasileira, revelou à agência Lusa o administrador Paulo Marchioto.

Segundo o responsável, nas duas unidades alentejanas, estão a ser produzidos, desde finais de outubro, os revestimentos de asa e os estabilizadores horizontais e, mais tarde, também vão ser construídas as empenagens verticais do avião.

“O KC-390 ainda está em desenvolvimento”, mas a Embraer já está a “fabricar as primeiras peças” nas unidades fabris de Évora, disse o administrador da Embraer Portugal, em entrevista à Lusa.

O revestimento de asa, segundo Paulo Marchioto, tem “18 metros de comprimento” e é “uma das maiores peças já fabricadas” pela construtora aeronáutica. Tem “um tamanho considerável e uma complexidade enorme”, acrescentou.

“Na primeira vez, esta peça saiu no ‘estado da arte'”, destacou Paulo Marchioto, referindo que, após a sua transformação “num painel estruturado”, vai ser “exportada para o Brasil via marítima”.

O responsável disse ainda que “parte da fuselagem” do KC-390 “é feita” nas Oficinas Gerais de Material Aeronáutico (OGMA), o que, na sua opinião, constitui “uma grande oportunidade” para a indústria aeronáutica portuguesa e para a Embraer.

Questionado sobre a possibilidade de Portugal comprar estes aviões para substituírem os atuais Hércules C-130, Paulo Marchioto limitou-se a dizer que espera que haja “negócio com Portugal”, assim como “com muitos outros países”.

As duas fábricas de Évora da Embraer, o terceiro maior fabricante mundial de aviões comerciais, foram inauguradas a 21 de setembro 2012, após um investimento de 177 milhões de euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Patrick Drahi, fundador da Altice

Altice. Dona da PT confirma conversações para compra da TVI

Tesouro italiano coloca milhões a taxas de juros mínimas

Governo italiano aprova resgate de dois bancos à beira da falência

António Serrano, nos estúdios da TSF. Professor catedrático e político português, foi Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XVIII Governo Constitucional de Portugal.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

António Serrano: “É preciso um choque de gestão no território florestal”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Fábricas de Évora da Embraer já produzem peças para novo avião militar KC-390