Facebook fecha temporariamente os três escritórios de Londres

Um funcionário de Singapura, que está infetado com o Covid-19, visitou os escritórios de Londres. Por precaução, empresa encerrou as três localizações

A empresa de Mark Zuckerberg fechou temporariamente os três escritórios que tem em Londres, esta sexta-feira, dia 6 de março. Um dos empregados do Facebook, vindo de Singapura, está infetado com o Covid-19 e terá visitado os escritórios de Londres entre 24 a 26 de fevereiro, anunciou a empresa através de comunicado, enviado aos meios de comunicação britânicos.

Por precaução, os três escritórios londrinos, onde trabalham cerca de três mil pessoas, estarão encerrados até segunda-feira, dia 9 de março. "Estamos a fechar os escritórios de Londres para uma limpeza profunda e os empregados vão trabalhar a partir de casa até lá", indica a rede social.

O Facebook estará ainda a contactar todos os empregados que tenham visitado algum dos escritórios de Londres nos últimos dias, para que estejam isolados de forma voluntária e que estejam atentos ao desenvolvimento de possíveis sintomas do Covid-19.

Esta semana, o vírus já motivou o encerramento de dois centros de escritórios do Facebook nos Estados Unidos - na Bay Area, em São Francisco, e em Seattle, pedindo aos empregados para trabalharem em regime remoto, para conter a propagação do vírus. Na área dos eventos, o vírus já levou ao cancelamento do principal evento do Facebook, o F8, que se realiza anualmente nos Estados Unidos. Antes disso, a empresa já tinha cancelado outro evento, dedicado à área de marketing, também nos Estados Unidos.

Mas, em Londres, o Facebook não é caso único de encerramento de escritórios para limpeza, motivada pelo Covid-19. Também a Deloitte, o segundo maior empregador na área de Londres, está a pedir aos trabalhadores para recorrerem ao trabalho remoto, após um dos empregados ter sido infetado durante uma viagem à Ásia.

Os números mais recentes sobre o Covid-19 indicam que já foi ultrapassada a barreira dos cem mil infetados, sendo que, deste número, há registo de mais de 55 mil pessoas que já recuperaram. O vírus fez mais de 3400 mortos, sendo que o maior número de vítimas mortais foi registado na China (2931 pessoas) e em Itália (148 pessoas).

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de