Apple

Falha no sistema de reconhecimento facial do iPhone X teve impacto nos mercados

A carregar player...
Falha no sistema de reconhecimento facial do iPhone X teve impacto nos mercados

Sistema de reconhecimento facial, uma das maiores novidades do novo iPhone, falhou no palco e os mercados financeiros não tardaram a reagir.

Um pequeno lapso chegou para que as acções da Apple caíssem a pique. As falhas no sistema de reconhecimento facial durante a apresentação do iPhone X repercutiram-se nas bolsas, onde ficaram visíveis os receios dos investidores sobre as novidades que Tim Cook tinha para dar.

No Steve Jobs Theatre, em Cupertino, Tim Cook e os restantes representantes da Apple anunciaram a chegada do iPhone 8, das melhoras na Apple TV, os Apple Watch Series 3 e ainda a grande novidade da marca para este ano: o iPhone X.

Era sobre este último que recaíam as maiores expectativas, incluindo dos mercados financeiros. Uma das maiores novidades incluídas era o reconhecimento facial, que permitia ao utilizador desbloquear o seu iPhone X olhando diretamente para a câmara.

Foi precisamente essa ferramenta que Craig Federighi (outro dos representantes da Apple) tentou utilizar em palco, mas o sistema falhou não uma, mas duas vezes. Um lapso que, por menor que possa parecer, teve impacto significativo nos mercados financeiros.

As acções da Apple desceram 1,17% para 158,97 dólares, em muito graças aos receios dos investidores, não só com os preços do iPhone X (999 dólares), como também sobre o verdadeiro potencial deste smartphone que falhou no momento mais crucial do evento.

O impacto da falha não foi apenas negativo para a marca: O índice Dow Jones caiu 0,08% para 22.101,97 pontos, enquanto o Nasdaq desvalorizou 0,25% para 6.438,33 pontos. O S&P500, por seu lado, recuou 0,16% para 2.492,42 pontos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
CTG

OPA EDP. Estado chinês trava OPA rivais europeias à EDP, diz FT

Antonoaldo Neves, presidente executivo da TAP. Fotografia: D.R.

TAP: “Todos os negócios têm risco”

Cristina Casalinho, Presidente da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública. Fotografia: Direitos Reservados

Portugal coloca 1.250 milhões com juros a subirem tanto no prazo de 3 e 11 meses

Outros conteúdos GMG
Falha no sistema de reconhecimento facial do iPhone X teve impacto nos mercados