ANA Aeroportos

Falso comunicado afunda ações da dona da ANA

Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens
Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Logo após a divulgação da notícia ações do grupo afundaram cerca de 19%.

O grupo francês Vinci, detentor da ANA – Aeroportos de Portugal, foi vítima de um falso comunicado de imprensa, que foi enviado esta terça-feira às redações em nome da construtura.

O comunicado, que chegou às caixas de email dos jornalistas às 15h06, hora de Lisboa, afirmava que a empresa tinha revisto os seus resultados financeiros de 2015 e do primeiro semestre de 2016 na sequência de uma auditoria interna, revelando prejuízos nos dois períodos.

O comunicado anunciava ainda que a demissão do diretor financeiro da concessionária, Christian Labeyrie, já tinha sido comunicada ao regulador do mercado francês.

Logo após a divulgação da notícia ações do grupo afundaram cerca de 19%.

A verdade seria reposta alguns minutos depois, às 15h30, através de um novo comunicado, no qual o grupo francês explicou que tinha sido vítima de difamação.

“Fomos atacados. É completamente falso”, revelou o porta-voz do grupo Paul-Alexis Bouquet.

“A Vinci enfrenta uma tentativa séria de desinformação com fins difamatórios. Foi divulgado um falso comunicado de imprensa em nome da Vinci com referência a um falso responsável pela comunicação do grupo que está a prejudicar a Vinci através da utilização de dados provenientes de uma fuga de informação. A Vinci nega oficialmente o despedimento de Christian Labeyrie.

Estamos indignados com o que aconteceu e informamos que tanto o grupo como Christian Labeyrie vão apresentar queixa contra as pessoas responsáveis por estes atos”, lê-se na retificação enviada pela Vinci.

O grupo recuperou das perdas a partir das 15h48. As ações da Vinci caíram 3,76% para os 58,80 euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Outros conteúdos GMG
Falso comunicado afunda ações da dona da ANA