Indústria

Família Amorim encaixa 43,7 milhões com venda de 3,46% da corticeira

António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: D.R.
António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim. Fotografia: D.R.

Com esta operação, a Investmark reduz a sua participação na Corticeira Amorim para 10,32%

A Investmark Holdings, detida pela família Amorim, vendeu 4,6 milhões de ações representativas de 3,46% do capital social da Corticeira Amorim, por 43,7 milhões de euros.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), “a Investmark Holdings […] informa ter concluído com sucesso a venda de 4.600.000 ações representativas de 3,46% do capital social da Corticeira Amorim, SGPS, S.A., em execução da Oferta Particular comunicada em 4 de junho de 2019”. A contrapartida total da operação “ascende a 43.700.000,00 euros, correspondente a um preço por ação de 9,50 euros”, diz ainda.

De acordo com o comunicado, “a oferta e a correspondente venda de ações foi exclusivamente dirigida e executada a/junto de investidores profissionais fora dos EUA […] e dentro dos EUA apenas a investidores institucionais qualificados”. A liquidação da oferta decorrerá na sexta-feira, com a entrega das ações e o pagamento do preço (ou a transmissão das ações em bolsa).

Na sequência desta operação, a Investmark Holdings passará a deter uma participação de 10,32% no capital social da Corticeira Amorim. A Investmark Holdings, que detinha 13,78% do capital social da Corticeira Amorim, anunciou na terça-feira que iria avançar com uma Oferta Particular de Venda para alienar até 4.600.000 ações representativas de até 3,46% do capital da corticeira.

As ações da Corticeira Amorim seguem hoje a cair 0,20% para 10,16 euros, na bolsa de Lisboa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Trump Xi China

Trump ameaça China. “Não precisamos deles, esta é uma grande oportunidade”

Emmanuel Macron, presidente francês. Fotografia: Direitos Reservados

Fogos na Amazónia: França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, intervém durante uma conferência de imprensa para fazer o ponto de situação sobre a crise energética, no Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em Lisboa, 13 de agosto de 2019. JOÃO RELVAS / LUSA

Ministro do Ambiente: “Há cada vez mais condições” para que greve não aconteça

Outros conteúdos GMG
Família Amorim encaixa 43,7 milhões com venda de 3,46% da corticeira