transportes

Fertagus vai mexer nos horários ainda este ano. Saiba o que pode mudar

(Carlos Costa/Global Imagens)
(Carlos Costa/Global Imagens)

Ocupação dos comboios da ponte 25 de abril na hora de ponta é de 60%, em média. Empresa entra no novo passe de transportes.

A Fertagus é uma das empresas mais afetada pelo arranque dos novos passes sociais. A gestora dos comboios da ponte 25 de abril integra pela primeira vez esta solução, o que vai permitir aos utentes desta transportadora reduções de preços que podem chegar a mais de 100 euros por mês. Antecipando um aumento da procura de passageiros, a empresa detida pelo grupo Barraqueiro vai realizar várias alterações nos próximos anos. Ainda este ano, está prevista a mudança de horários.

“Estamos a trabalhar num novo horário, que se ajuste o mais possível ao que julgamos poder vir a ser o comportamento futuro da procura, com ajustes na distribuição dos comboios duplos nas horas de ponta e o reforço das ligações a Setúbal no período de almoço e antecipação da hora de ponta da tarde“, refere fonte oficial da Fertagus ao Dinheiro Vivo.

A empresa liderada por Cristina Dourado justifica a necessidade de aumentar o serviço nas horas de ponta. “Embora existam comboios/horários com níveis de ocupação elevados, essa taxa de ocupação não é constante ao longo de todos os horários, sendo que a taxa de ocupação média dos comboios no período de ponta é de 60%.”

A marca de transportes também está a fazer uma “campanha informativa para divulgar, comboio a comboio, nos períodos de ponta, tal como já se efetuou no passado, quais os comboios que têm maior ocupação e os que têm mais capacidade disponível. Considerando que no período de ponta temos comboios com intervalos de 10 minutos, os clientes poderão optar por deslocar-se em comboios com mais capacidade disponível e responder aos aumentos de procura que se venham a verificar”.

A mudança de horários é um desafio de monta para a Fertagus, considerando que a transportadora utiliza 17 das 18 automotoras elétricas UQE 3500, com quatro carruagens, do parque de material circulante.

Renovação dos comboios

Além dos novos horários, a empresa quer ampliar o espaço no interior dos comboios para poder acomodar mais passageiros, conforme referiu a administradora delegada, Cristina Dourado, em entrevista ao Dinheiro Vivo e à TSF.

“Há duas hipóteses: melhorar o interior dos comboios – sendo de dois pisos, as pessoas tendem a concentrar-se muito nos átrios – e permitir o uso de capacidade por ocupar; também estamos a estudar com o fornecedor existir uma quinta carruagem nas nossas UQE – automotoras elétricas com quatro carruagens. À hora de ponta, é possível juntar duas unidades e fazer comboios duplos. Com uma quinta carruagem, à hora de ponta, fazer comboios com nove carruagens e, mesmo nas franjas, fazer com cinco”, referiu a gestora no programa A Vida do Dinheiro.

Só que estas intervenções dependem da autorização do Estado. A Fertagus aluga os 18 comboios à Sagesecur, uma sociedade detida na totalidade pela Parpública, a empresa que gere as participações sociais do Estado.

Leia mais: Matos Fernandes: “Não haverá nenhuma epifania, apenas uma mudança de hábitos”

“Sabemos que a Fertagus está a preparar as alterações necessárias, no âmbito da prestação do serviço de que é concessionária, para dar resposta ao esperado acréscimo de procura decorrente do novo sistema tarifário. Até ao momento, a Sagesecur não recebeu da concessionária qualquer comunicação neste âmbito”, refere fonte oficial da Parpública ao Dinheiro Vivo.

A Fertagus assinala ainda que estas hipóteses, se forem validadas, “são soluções concretizáveis num prazo de dois a três anos”.

Arrancou esta segunda-feira o programa PART, que reduz o preço dos transportes públicos nas áreas metropolitanas e comunidades intermunicipais. No caso da área metropolitana de Lisboa (AML), onde atua a Fertagus, passam a existir dois passes mensais: 30 euros, para cada um dos 18 municípios; e 40 euros, para viagens dentro da AML, com um só título de transporte, entre Mafra e Setúbal.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Défice externo até julho agrava-se para 1633 milhões de euros

Secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves.
Maria João Gala / Global Imagens

Secretário de Estado da Proteção Civil demitiu-se

Rui Rio quer jornalistas penalizados por violação do segredo de justiça

Rui Rio quer jornalistas penalizados por violação do segredo de justiça

Outros conteúdos GMG
Fertagus vai mexer nos horários ainda este ano. Saiba o que pode mudar