BES

Centeno pagou 725 mil pela avaliação das propostas do Novo Banco

REUTERS/Rafael Marchante
REUTERS/Rafael Marchante

Ajuste direto com a consultora Oliver Wyman foi assinado em abril de 2017 mas o contrato só foi publicado esta terça-feira no portal Base.

O gabinete do ministro das Finanças pagou 725 mil euros à consultora Oliver Wyman para avaliar as propostas apresentadas à compra do Novo Banco.

De acordo com o contrato assinado a 6 de abril de 2017 por um prazo de 549 dias mas só publicado esta terça-feira no portal Base, a decisão de contratar uma consultora por ajuste direto foi tomada a 13 de janeiro do ano passado.

“O presente contrato tem por objeto estabelecer as condições para aquisição de serviços técnicos especializados para a avaliação e comparação das propostas apresentadas pelos diversos participantes no âmbito do processo de venda da participação detida pelo Fundo de Resolução no Novo Banco”, lê-se no documento divulgado no portal.

Ao valor do contrato, que não inclui o pagamento do IVA, acresce ainda “o reembolso de despesas” respeitantes “a deslocações, incluindo custos de alimentação e transporte, as quais não podem exceder o montante correspondente a 10% do preço” acordado.

Nos termos do contrato, a Oliver Wyman ficou obrigada a “manter contactos”, em nome do gabinete do ministro das Finanças, “com os participantes potencialmente interessados na aquisição do todo ou parte dos ativos, passivos, elementos extra patrimoniais e ativos sob gestão do Novo Banco para aferir o interesse efetivo na aquisição”.

O documento determina ainda que a consultora terá de “colaborar” na “análise e revisão da documentação relevante para as operações de alienação”, “prestar aconselhamento nos aspetos estratégicos do processo de alienação, assegurando, quando necessário o relacionamento com os potenciais adquirentes e seus consultores”.

A análise técnica e a comparação de propostas “preliminares ou finais”, “propor critérios de ordenação e seleção das propostas” e “assegurar os contactos com autoridades administrativas e de regulação e supervisão cuja intervenção possa ser necessária no âmbito do processo de alienação” são outras das obrigações da consultora.

Oliver Wyman ganha quase 3,5 milhões desde 2013

O procedimento publicado esta terça-feira corresponde ao quinto contrato celebrado entre as autoridades portuguesas e esta consultora com sede em Madrid.

De acordo com a pesquisa efetuada pelo Dinheiro Vivo, e somando todos os contratos, a Oliver Wyman já recebeu 3,4 milhões de euros desde 2013 e sempre por ajuste direto.

Os quatro contratos anteriores foram todos celebrados com o Banco de Portugal e são omissos quanto ao tipo de consultoria a prestar. O mais elevado (1,8 milhões foi assinado em fevereiro de 2016 por um prazo de 211 dias. O primeiro (483 mil por 98 dias) foi assinado em maio de 2013; o segundo (322,2 mil por 32 dias) em novembro desse ano e o último (100 mil euros por 14 dias) em maio de 2016.

De acordo com o Jornal de Negócios, a consultora trabalhou em torno do Banif desde maio de 2012 “ora contratado pelo Ministério das Finanças, ora sob o comando do Banco de Portugal”.

“Entre maio de 2012 e meados de dezembro de 2015, a par de outros assessores, prestámos serviços de aconselhamento no âmbito do processo de recapitalização dos bancos portugueses que viriam a receber injeções de capital público: a Caixa Geral de Depósitos, o Millennium BCP, o BPI e o Banif”, revelou Rodrigo Pinto Ribeiro, sócio da consultora na comissão parlamentar de inquérito ao Banif.

“Em nenhum momento houve alusão a qualquer tipo de conflito de interesses”, afirmou ainda na altura Rodrigo Pinto Ribeiro, depois de ter sido confrontado com a crítica do antigo presidente do banco, Jorge Tomé, que chegou a colocar em causa um conflito de interesses da Oliver Wyman.

 

Notícia atualizada com todo os contratos celebrados com Oliver Wyman e publicados no portal Base

 

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

Centeno pagou 725 mil pela avaliação das propostas do Novo Banco