Fraude Fiscal

Fisco italiano reclama mais de 200 milhões à Google por fraude fiscal

O fisco italiano reclama mais de 200 milhões de euros à multinacional norte-americana Google por o ter defraudado durante anos

O fisco italiano reclama mais de 200 milhões de euros à multinacional norte-americana Google por o ter defraudado durante anos, anunciou hoje uma fonte judicial citada pela AFP.

O motor de busca norte-americano Google deve 200 milhões de euros de impostos sobre direitos de autor e de impostos sobre lucros de 100 milhões de euros não declarados, segundo esta fonte, perfazendo um total de cerca de 227,5 milhões de euros de impostos devidos e não pagos.

A taxa do imposto sobre os lucros das empresas é de 27,5% em Itália.

“A Google respeita as leis em matéria fiscal em cada país onde opera. Nós continuamos a trabalhar com as autoridades competentes”, afirmou um porta-voz da Google, citado pela AFP.

A multinacional norte-americana deverá receber a notificação das autoridades italianas hoje, segundo a mesma fonte judicial.

No final de dezembro, o grupo norte-americano Apple aceitou pagar mais de 300 milhões de euros em Itália para saldar as contas com o fisco depois de uma investigação semelhante por fraude fiscal.

A Apple Italia foi acusada pelos serviços fiscais de não ter pago o imposto sobre os lucros entre 2008 e 2013, como a Google nesta nova investigação.

A Google e outras multinacionais norte-americanas, como a Amazon ou Facebook, são regularmente acusadas de querer escapar aos impostos, ou nos Estados ou na Europa, escolhendo por exemplo instalar-se em países onde a fiscalidade lhes é mais favorável.

Muitas destas multinacionais postas em causa, incluindo a Google e a Amazon, defenderam-se em novembro no Parlamento Europeu, afirmando que levavam a sério as suas obrigações fiscais.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

Fisco italiano reclama mais de 200 milhões à Google por fraude fiscal