Fly London prepara loja em Nova Iorque

Fortunato Frederico, Kyaia
Fortunato Frederico, Kyaia

Nova Iorque é a mais nova aposta da Fly London. Em preparação está a abertura da sétima loja da mais internacional das marcas de calçado português, detida pelo grupo Kyaia, e a primeira fora da Europa. A escolha recaiu no SoHo, bairro nova-iorquino famoso pelas galerias de arte e pela variedade de boutiques de moda e cadeias de lojas internacionais.

O projeto será desenvolvido com o distribuir
local da Fly. “É uma nova etapa na parceria, vamos construir uma
sociedade para trabalhar exclusivamente o retalho”, explicou ao
Dinheiro Vivo o administrador da Kyaia, Amílcar Monteiro. “O
objetivo de abrir a loja com a coleção de inverno [no segundo
semestre do ano] mantém-se. A zona está identificada e será no
SoHo, é uma questão de se encontrar o sítio certo”. O que nem
sempre se revela fácil. E socorre-se do exemplo da Foreva, a rede de
retalho de calçado que o grupo detém em Portugal. “Desde o início
[a rede foi comprada em 2005] que temos o objetivo de abrir uma loja
Foreva na rua de Santa Catarina, no Porto, e só agora o conseguimos.
Vamos inaugurá-la no próximo sábado [hoje]. É verdade que não
faltam lojas no Porto, mas com o espaço e o perfil pretendido já
não é tão simples. Isto só para perceber que é tudo uma questão
de oportunidade. Não basta querer, é preciso que o espaço certo
apareça”, frisa.

A Kyaia – que hoje reúne mais de duas centenas de
pessoas para comemorar, em Guimarães, os 30 anos da empresa e os 20
de criação da Fly London – tem em prática um plano a 10 anos que
visa duplicar produção (atualmente nos 4500 pares/dia), mediante a
construção de quatro novos pavilhões industriais, que permitirão
criar 300 novos postos de trabalho. O investimento associado é de 10
milhões de euros, mantendo, assim, a média anual de investimento de
um milhão de euros que a Kyaia tem vindo a aplicar desde 2005,
explicou ao Dinheiro Vivo o fundador da empresa, Fortunato Frederico.

O primeiro dos quatro pavilhões começará a ser
construído já depois do verão, em Guimarães, onde a Kyaia está
sediada. O segundo será o de Paredes de Coura, onde o grupo conta já
com quatro unidades, e só está previsto para daqui a três ou
quatro anos. No imediato, a intenção passa por expandir a unidade
mais recente, que passará dos atuais dois para três mil metros
quadrados e por construir, “o mais rapidamente possível”, uma
cantina que sirva todo este polo fabril. Cada pavilhão permitirá
criar 70 postos de trabalho.

Com 620 funcionários em Portugal, dos quais 360
só na área industrial, a Kyaia fechou 2013 com uma faturação de
56 milhões de euros. O objetivo é atingir 100 milhões dentro de
uma década. Dos 4500 pares de sapatos que produz diariamente, a
esmagadora maioria são para a Fly London. Mas a Softinos, a marca de
conforto da empresa, vale já 130 mil pares ao ano. E Fortunato
Frederico estima que, a manter-se o ritmo atual de crescimento da
marca, a Softinos possa representar, em 2024, o que a Fly é hoje: um
milhão de pares de sapatos ao ano, um marco histórico. “Eu faço
a minha parte. Dou-lhes as ferramentas necessárias, que são as
instalações. Agora, cabe à parte comercial arranjar as encomendas.
O desafio é deles”, conclui.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Saídas para a reforma disparam 43% na função pública

covid-19 portugal corona virus

Emprego público sobe 0,9% com contratações da saúde e oficinas da CP

A ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva TIAGO PETINGA/POOL/LUSA

Prorrogada situação de contingência em Portugal continental até 14 de outubro

Fly London prepara loja em Nova Iorque