Indústria

Fricon reforça internacionalização a olhar o Pacífico

Isabel Azevedo é administradora e acionista da empresa de Vila do Conde. Foto: Ivo Pereira/Global Imagens
Isabel Azevedo é administradora e acionista da empresa de Vila do Conde. Foto: Ivo Pereira/Global Imagens

A Fricon vai fechar o ano com crescimento nas vendas e um maior número de mercados de exportação.

A Fricon, empresa especializada no fabrico de equipamentos de refrigeração, vai fechar o ano com vendas para 115 países, mais quatro mercados que em 2018, e já está a trabalhar para entrar na Austrália e Nova Zelândia. A estratégia de internacionalização “passa por consolidar os mercados onde estamos presentes”, mas olhar também para novas geografias, diz Ricardo Pereira, da direção de marketing.

“Para os próximos meses, as apostas são na Austrália e Nova Zelândia, no Pacífico”, mas “reconhecemos diversas oportunidades no continente americano e em vários países emergentes em África”, adianta. Atualmente os principais mercados da Fricon são o centro e norte da Europa, com a Polónia a ocupar lugar de destaque, seguindo-se o continente americano, com o Chile e a Colômbia a assumirem posições significativas para a empresa.

A Fricon, que tem duas unidades produtivas instaladas em Vila do Conde e uma outra em Pernambuco, Brasil, prevê um aumento das vendas no atual exercício, tendo por base uma faturação integrada superior a 100 milhões de euros registada em 2018. As três fábricas colocam no mercado cerca de 500 mil equipamentos por ano.

Grandes marcas
A empresa, detida a 100% pela família Azevedo, já conquistou as principais marcas de retalho a operar em Portugal. Sonae ou Jerónimo Martins são exemplos de grupos que apostaram nas soluções de refrigeração e conservação da Fricon, sublinha Ricardo Pereira. Para esse sucesso, contribuiu “a tecnologia associada ao conceito plug-in, em que cada equipamento é um módulo autónomo, de fácil instalação e grande capacidade de adaptação a ajustes de layout”. O responsável frisa ainda que a empresa especializou-se “no desenvolvimento de equipamentos de baixo consumo energético, com elevados níveis de eficiência”.

No próximo ano, a Fricon vai lançar novas soluções de frio da linha Murais (permite aproveitamentos dos espaços aéreos e verticais dos pontos de venda) e uma nova de horizontais. Para o triénio 2018-20, o investimento alocado é de 3,2 milhões de euros para o desenvolvimento de novas linhas e equipamentos.

A empresa empresa 220 pessoas em Portugal, quatro na sucursal de Madrid (Espanha) e 800 no Brasil.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lear Corporation

Há mais de 800 mil portugueses a trabalhar por turnos

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública. (António Pedro Santos / Lusa)

Governo vai reservar verba para financiar pré-reformas no Estado

Rui

“Se Rui Rio ganhar as eleições do PSD este Governo dura quatro anos”

Outros conteúdos GMG
Fricon reforça internacionalização a olhar o Pacífico