Tecnologia

Funcionário da Huawei acusado de espionagem na Polónia

Fotografia: Thomas Peter/ Reuters.
Fotografia: Thomas Peter/ Reuters.

Segundo meios polacos, as autoridades da Polónia detiveram duas pessoas por suspeitas de espionagem, incluindo um diretor de vendas da Huawei.

De acordo com meios polacos, incluído o canal de televisão Telewizja Polska, as autoridades da Polónia detiveram duas pessoas por suspeitas de espionagem: um diretor de vendas da Huawei e um ex-agente de segurança polaco.

Segundo o canal público TVP, além das detenções, também foram realizadas buscas aos escritórios locais da Huawei e da Orange Polska, a filial polaca do operador de telecomunicações francês Orange. Atualmente, este será o local de trabalho do cidadão polaco, que já terá trabalhado também para a agência de segurança nacional polaca.

Em comunicado, citado pela Reuters, a Orange já indicou que “a agência de segurança recolheu materiais ligados ao funcionário”, cuja identidade não quis especificar. O comunicado refere ainda que a empresa não sabe se a investigação está ligada às atividades profissionais do cidadão polaco, assegurando também que “irá continuar a cooperar com as autoridades”.

De acordo com órgãos de comunicação polacos, o funcionário da Huawei e o cidadão polaco poderão ficar detidos durante um período de três meses.

A Huawei já emitiu a sua posição oficial relativamente a esta detenção: “a Huawei está a par desta situação e está a analisá-la. Não temos mais comentários de momento. A Huawei cumpre com todas as leis aplicáveis e regulação nos países onde opera e pedimos a todos os trabalhadores que sigam estas leis e regulação em todos os países onde estão situados”.

A detenção terá sido motivada por suspeitas de espionagem, adensando a controvérsia ligada à Huawei, uma gigante tecnológica chinesa. Nos Estados Unidos, a atividade da marca tem sido amplamente escrutinada, por suspeitas de recurso a ‘backdoors’ em equipamentos para obtenção de informações ligados ao governo americano. Estas acusações têm vindo a ser negadas pela Huawei, em repetidas ocasiões.

Em dezembro, a detenção da diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, em Vancouver, no Canadá, gerou controvérsia. Na altura, a CFO foi acusada pelos Estados Unidos de ter assumido uma “posição ilusória” perante os bancos, relativamente à relação entre a Huawei e a Skycom. No final do mês de dezembro, Meng Wanzhou foi libertada sob uma fiança de 7,5 milhões de dólares.

Notícia atualizada às 15h02 do dia 11 de janeiro de 2019, para incluir a posição oficial da Huawei.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O empresário Joe Berardo à chegada para a sua audição perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República, em Lisboa, 10 de maio de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Joe Berardo: “Tenho servido de bode expiatório”

Carlos Costa. Foto: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

BdP vai divulgar relatório dos grandes devedores mas incompleto

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Centeno assegura clarificação das dúvidas do BCE

Outros conteúdos GMG
Funcionário da Huawei acusado de espionagem na Polónia