Fundo de Resolução pode vir a travar provisões no Novo Banco

O Jornal de Negócios avança nesta sexta-feira que o Fundo de Resolução poderá decidir que determinadas provisões e imparidades devem ficar de fora do cálculo da injeção de capital que o Novo Banco irá pedir em relação a 2020.

O Fundo de Resolução, avança o Jornal de Negócios nesta sexta-feira, 19 de fevereiro, pode vir a decidir que determinadas provisões e imparidades devem ficar de fora do cálculo da injeção de capital que o Novo Banco irá pedir em relação a 2020. Este terá sido o caminho encontrado para que o pedido do banco liderado por António Ramalho não supere o valor que estava inscrito no Orçamento do Estado - e que entretanto foi retirado - de quase 480 milhões de euros, escreve o Negócios.

O Novo Banco tem vindo a registar imparidades e provisões para ir ao encontro do que está estabelecido no plano de reestruturação, ou seja, saída de ativos tóxicos, bem como de outros ativos considerados não estratégicos. Contudo, e de acordo com o jornal de economia, há provisões que não deverão contar para efeitos de cálculo das necessidades de capital do banco liderado por António Ramalho, referentes a 2020. Isto para que a instituição financeira fique abaixo do limite previsto para o novo reforço, de 476 milhões de euros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de