Futebol

Futebol. CM Porto quer transmissão de jogos em drive-in

fc porto
FC Porto - Rio Ave, a 7 de março de 2020, no Estádio do Dragão (MIGUEL RIOPA / AFP)

Pedro Proença, presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, voltou a defender a transmissão dos jogos de futebol em sinal aberto.

A Câmara Municipal do Porto quer que jogos da Liga NOS que são retomados em junho sejam transmitidos em drive-in, no Queimódromo. A proposta foi feita por Rui Moreira a Pedro Proença, presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, esta segunda-feira. O presidente da Liga voltou a defender a transmissão dos jogos em sinal aberto.

“Penso que esta ideia não é apenas defendida pela Liga de Portugal, foi defendida pela Bundesliga, está a ser discutida agora na Primeira Liga Italiana e é fácil perceber o que se pretende. Sabemos que vamos ter jogos à porta fechada, onde o público não vai poder aceder à visualização dos jogos. O que tentamos potenciar é que a entidade governamental pudesse de alguma forma injetar dinheiro nos canais generalistas, que estes pudessem de alguma forma adquirir conteúdos dos operadores, que pudessem ser ressarcidos por estes dois meses, e puderem pagar aos clubes que são os seus verdadeiros clientes e fechar o ciclo. Ter pessoas que não estejam aglomeradas em redor dos estádios quando os jogos acontecerem e proporcionar num momento difícil para as famílias portuguesas assistir aos jogos”, reagiu Pedro Proença, à saída do encontro com o presidente da autarquia do Porto.

“A Liga é dos clubes e o presidente da Liga estará na Liga enquanto os clubes o quiserem. Nesta altura, neste momento de responsabilidade é o momento de retomar as competições profissionais. É obrigatório, é vital. Se as competições não retomarem teremos diversas entidades em estado de insolvência e ninguém saberá o futuro”, diz Pedro Proença, quando questionado sobre se iria apresentar a sua demissão dada a contestação que está a ser alvo.

Esta segunda-feira o Cova da Piedade juntou-se ao Benfica na decisão de abandonar a direção da Liga de clubes de futebol e convidou Pedro Proença a demitir-se da presidência do organismo.

Na sexta-feira tinha sido o Benfica a pedir a Pedro Proença para deixar a direção da Liga durante uma reunião com todos os clubes do principal escalão profissional, na qual Pedro Proença pediu a marcação de uma Assembleia Geral para 9 de junho, para discutir a governação do organismo e apreciar o apoio anunciado para os clubes da II Liga.

A decisão do Clube da Luz surgiu no mesmo dia em que NOS anunciou que ia deixar cair o patrocínio à Liga Portuguesa de Futebol Profissional depois do fim da época de 2020/2021, competição à qual dava nome há sete épocas desportivas.

Na origem da decisão da NOS estaria mal-estar provocado pela sugestão feita pelo presidente da Liga, Pedro Proença, junto do Ministério da Economia, Pedro Siza Vieira, em que sugeria ao Governo a hipótese de, por ação do Estado, as operadoras concordarem em transmitir as restantes dez jornadas do campeonato, ou parte delas, em sinal aberto.

A NOS é detentora dos direitos desportivos do Sporting e Benfica, bem como dos direitos televisivos dos canais dos dois clubes, sendo ainda acionista – juntamente com Joaquim Oliveira, a Vodafone e a Altice Meo – da Sport TV, empresa que transmite os jogos da Liga.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, acompanhado pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (Foto: Mário Cruz/Lusa)

Recuperar poder de decisão na TAP obriga Estado a pagar mais

Humberto Pedrosa é o acionista do consórcio Gateway.

TAP: Humberto Pedrosa realça a não nacionalização da empresa

Fotografia: Regis Duvignau/Reuters

TAP: Sindicato do Pessoal de Voo espera que acordo proteja postos de trabalho

Futebol. CM Porto quer transmissão de jogos em drive-in