Encontros 560

A velhinha cortiça saltou das garrafas para o espaço

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Corticeira Amorim está atenta a novos produtos e criou um Shark Tank para apoiar fazedores na área da cortiça

Do chão de casa e dos campos de futebol, à rolha da garrafa de vinho, aos telemóveis ou até ao isolamento de naves espaciais da NASA, a velhinha cortiça está a mostrar que é cada vez mais um produto versátil e inovador, como demonstrou António Rios de Amorim, presidente e CEO da Corticeira Amorim, a empresa em foco nos Encontros 560 desta semana, organizados pelo Ministério da Economia, em parceria do Dinheiro Vivo.

António Rios Amorim mostrou qual o panorama do mercado da cortiça, com Portugal ainda como principal produtor e exportador : anualmente são produzidas cerca de 340 mil toneladas de cortiça. Destas, 55% são portuguesas e a Amorim transforma 35% da produção mundial de cortiça.

António Rios Amorim quis mostrar que a empresa não deixou de procurar novos produtos: com uma produção anual de 4,4 milhões de rolhas de cortiça, este produto enfrenta agora a concorrência das rolhas de plástico e do screwcap. Mas António Rios Amorim defende a capacidade de inovação da marca com a Helix, uma rolha em cortiça e que pode ser desenroscada à mão.

“Foi lançada há uns anos e já estamos a ter marcas nos EUA com milhões de garrafas no mercado e que vão ser um sucesso por esse fator de conveniência”. Este ´é um dos exemplos de inovação da marca, que investe anualmente 7,5 milhões de euros em investigação e desenvolvimento e já tem cortiça em pavimentos à prova de água para casas, hotéis ou escritórios ou em campos de futebol de relva natural. A empresa criou ainda a Amorim Cork Ventures, “uma espécie de Shark Tank de apoio aos empreendedores e que permite que pessoas de fora do setor possam trazer ideias disruptivas, que sejam aproveitadas e que tragam valor ao setor da cortiça”.

O desafio no futuro é o nível de produção de cortiça, que António Amorim acredita poder acelerar com novas técnicas de regadio para os sobreiros: “Se continuarmos a crescer como estamos, o que não é hoje um problema, pode vir a ser e queremos estar preparados para isso”.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
A velhinha cortiça saltou das garrafas para o espaço