restauração

Esqueça as bitcoin. McDonald’s lança MacCoin que pode trocar por Big Mac

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Portugal é um dos 50 mercados que vai receber MacCoins que os consumidores poderão trocar por Big Mac em qualquer dos países onde decorre iniciativa

Não é uma bitcoin, mas pode trocar esta moeda que vai ser lançada pela McDonald’s por um Big Mac em qualquer um dos 50 países onde decorre esta iniciativa, incluindo Portugal. Um total de 6,2 milhões de MacCoin será distribuído a partir de 2 de agosto, dos quais 65 mil unidades no mercado nacional.

A iniciativa assinala o 100º aniversário de Jim Delligatti, o criador deste hambúrguer best seller da cadeia de restauração, com um em cada quatro consumidores que visitaram um restaurante da cadeia em 2017 a consumir um menu Big Mac. O hambúrguer icónico, que inspirou o Big Mac Index criado pela The Economist em 1986 (medindo o grau de sobre ou subvalorização de uma moeda em relação ao dólar americano), assinala este ano 50 anos.

“Esta é uma iniciativa global na qual o mercado português tem um papel muito importante e do qual nos orgulhamos muito. A distribuição das 65 mil MacCoins nas principais cidades, associada ao crescimento do turismo no país, vai certamente gerar muitas trocas de MacCoins oriundas de outros países pelo nosso Big Mac, em Portugal”, diz Inês Lima, Diretora de Marketing e Comunicação da McDonald’s Portugal.

Em Portugal, as moedas serão distribuídas em vários pontos de Lisboa, Porto e Algarve e também através de passatempos nas redes sociais.

A MacCoin é uma edição limitada, com cinco designs distintos que assinalam cada uma das décadas de existência doBig Mac. “Cada uma destas cinco moedas incorpora o símbolo do 50º Aniversário do Big Mac e, na outra face, elementos das diferentes épocas ligados à arte, à música e à cultura pop”, descreve a cadeia.

A edição limitada tem assim referências ao movimento Flower Power (anos 70), arte Pop (anos 80) “passando pelas formas arrojadas e abstratas dos anos 90 e que traduzem o design da MacCoin, o início dos anos 2000 concentrou-se especificamente na tecnologia de vanguarda na viragem do século, visível nos elementos da quinta MacCoin, representados na última década de 2008-2018”.

Mantendo a mesma receita desde 1968, altura em que foi lançado – pão com sementes de sésamo, dois hambúrgueres 100% carne de vaca, alface iceberg, cebola, queijo fundido, pickles e molho especial Big Mac – em Portugal, o Big Mac tem três ingredientes nacionais: carne de vaca (PecNordeste), a cebola (Vegenat) e a alface (Vitacress).

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O antigo secretário de Estado da Energia e da Inovação, Henrique Gomes, fala perante a Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, na Assembleia da República em Lisboa, 23 de janeiro de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Henrique Gomes disse que “Mexia é osso duro de roer” e teve de sair da REN

A área alimentar gerou vendas históricas de quatro mil milhões de euros. Fotografia: D.R.

Sonae atinge vendas recorde de 6,3 mil milhões com impulso do Natal

António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças, num debate parlamentar sobre o OE2019. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Universidade Católica prevê menos crescimento em 2018 e 2019

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Esqueça as bitcoin. McDonald’s lança MacCoin que pode trocar por Big Mac