aviação

Companhias aéreas europeias ganharam 63 milhões de passageiros em 2018

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Os oito maiores grupos da Europa somaram 743 milhões de passageiros em 2018.

O aumento da oferta de lugares acompanhado com a guerra de preços, a recuperação económica ou a irrupção do voos de longo curso low-cost, entre outros fatores, fez disparar o tráfego aéreo na Europa. Só as oito principais companhias aéreas europeias – Lufthansa, IAG, Air France, Ryanair, easyJet, Turkish Airlines, Aeroflot e Norwegian – somaram 743 milhões de passageiros em 2018, escreve o Cinco Días, esta sexta-feira. Os números supõem um aumento de 9,25% face a 2017 (cerca de mais de 63 milhões de passageiros), sendo que ainda não foram divulgadas as contas finais da easyJet, Turkish Airlines e Aeroflot.

É a Lufthansa Group quem lidera a lista. O grupo que reúne a Lufthansa, Swiss, Austrian Airlines, Eurowings e a Brussels Airlines fechou o ano com 142 milhões de passageiros.

Considerada a rainha do baixo custo, a Raynair reina também os céus europeus com os seus 137 milhões de passageiros, apesar das greves que marcaram o ano passado. Os números apontam para um aumento de 6,4% relativamente a 2017.

A easyJet, também uma companhia de baixo custo, ocupa a segunda posição no ranking das low-cost, depois registar 89 milhões de passageiros nos primeiros dez anos de 2018.

Leia também: Estas são as 20 companhias aéreas mais seguras do mundo. 11 voam em Portugal

A IAG e a Air France registaram 113 e 101 milhões de passageiros, respetivamente. É a primeira vez que o grupo franco-holandês ultrapassa a barreira dos 100 milhões de passageiros num ano.

Companhias como Ryanair, easyJet e IAG estão gravemente expostas ao resultado final do Brexit. A primeira já conta com a luz verde da Aviação Civil do Reino Unido para continuar a operar entre o país e territórios não comunitários. A companhia liderada por Michael O’Leary está pronta para chegar a março com uma estrutura de capital onde os investidores da UE cobrem mais de 50% e, dessa forma, manter a operação como companhia aérea comunitária.

Air France prepara-se para acabar com a sua companhia low-cost
A companhia aérea está a ponderar encerrar a operação da Joon e integrar os funcionários e aviões na AirFrance. Virada para o público jovem, a Joon foi lançada em 2017 mas, segundo a companhia mãe, “tem sido difícil perceber o conceito”, diz em comunicado, citado pela BBC.

“A pluralidade de marcas no mercado tem criado muita complexidade e, infelizmente, enfraqueceu o poder da Air France”, aponta a companhia aérea.

A Joon voa para destinos de curto curso na Europa, como Bergen, Madrid e Manchester, mas também vai mais além, com destinos na África do Sul, Índia e Brasil.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dos blueprints  dos primeiros automóveis, ao topo dos carros elétricos atuais, de elon Musk, em homenagem, a Nikolas Tesla.
Ilustração: VITOR HIGGS

Automóvel. Em 20 anos do euro mudou tudo, menos a carga fiscal e o líder

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

A EDP, liderada por António Mexia, vai pagar o maior cheque de dividendos da bolsa nacional.

PSI20.Menos lucros mas o mesmo prémio aos acionistas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Companhias aéreas europeias ganharam 63 milhões de passageiros em 2018