Retalho Alimentar

Intermarché vai abrir a sua primeira “loja urbana”

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

É a mais recente cadeia a apostar em lojas de ultraproximidade.Em agosto, abre a 1ª loja urbana em Lisboa e já tem localizações identificadas no Porto

Se lhe perguntar qual é atualmente a sua maior preocupação, o que diria? Provavelmente, que gostaria de conciliar melhor o trabalho com a sua vida pessoal. Este é um “fenómeno muito português” e com implicações no local onde escolhemos fazer as compras de supermercado. E as cadeias de distribuição já perceberam isso. Depois do “pê” de preço, há agora um novo mantra: “proximidade”. O Intermarché é a mais recente insígnia a juntar-se a este movimento de abertura de lojas em centros urbanos. No início de agosto vai abrir uma loja no Arco do Cego, em Lisboa, e, no centro do Porto, “temos já identificadas algumas posições”, revela Martinho Lopes, administrador do grupo.

“Há algum tempo que procurávamos estar presentes nos grandes centros urbanos, daí termos desenvolvido um novo conceito de loja – a loja urbana”, adianta Martinho Lopes. A primeira, no Arco do Cego, “está completamente direcionada para o cliente urbano, com necessidades distintas do cliente ao qual estamos habituados a trabalhar diariamente”, diz. Com este movimento, há “uma adaptação da estratégia [até aqui focada fora dos centros urbanos] às necessidades dos nossos clientes”.

Só neste supermercado vão investir cerca de 3 milhões e criar 40 postos de trabalho. E não querem ficar por aqui. “Claramente” em Lisboa querem abrir mais espaços, tal como no Grande Porto (vão abrir a 26 de julho uma nova loja no Lordelo, concelho de Paredes). “Passa pelos nossos objetivos abrir no centro da cidade onde já temos identificadas algumas posições.”

“O conceito de ultraproximidade é um formato que se ajusta ao que o consumidor precisa: maior conveniência”, diz Ana Paula Barbosa, Retail vertical manager da Nielsen

E não estão sozinhos. Só este ano já abriram sete lojas Continente Bom Dia (já com 101 lojas) e “previmos abrir mais 11 até ao final do ano”, adianta Amaro Amaral. “O consumidor atual valoriza muito mais a conveniência e espaços mais pequenos, onde pode rapidamente fazer o seu cabaz de compras e ter um atendimento mais personalizado”, diz o diretor de operações do Continente.

“O conceito de ultraproximidade (lojas de 500 m2) é um formato que se ajusta ao que o consumidor precisa: maior conveniência”, diz Ana Paula Barbosa, retail vertical manager da Nielsen. Por outro lado, “temos uma população mais envelhecida, com dificuldade de mobilidade que tem preferência por formatos mais pequenos”.

“A proximidade como fator essencial de atração e fidelização do consumidor parece hoje assumir-se como o foco principal da grande distribuição. Estas lojas de proximidade, ao representarem extensões da moderna distribuição ao espaço de comércio tradicional, permitem, por exemplo, agarrar novas faixas de consumidores urbanos ou cativar os turistas que nos visitam”, diz Pedro Pimentel, diretor-geral da Centromarca, lembrando que, só no ano passado, 22 milhões escolheram Portugal como destino de férias.

Expansão com fim à vista?
Desde 2009, o número de estabelecimentos em Portugal duplicou. De 1678 lojas de 36 insígnias, passamos em 2017 para 3382 superfícies de 32 insígnias da grande distribuição, segundo dados da Marktest. “Em boa verdade temos, ao fim de uma década, o dobro das lojas para uma população que terá retrocedido mais de 300 mil habitantes”, destaca Pedro Pimentel. E o comportamento do consumidor mudou. “Fazemos menos visitas às lojas, não compramos mais em cada visita e somos menos fiéis às lojas que visitamos.”

Excesso de lojas pode criar riscos de “canibalização entre as diferentes insígnias e os vários formatos”, acredita Pedro Pimentel, da Centromarca

Será este um movimento com tendência a abrandar? O Auchan já tem 11 lojas My Auchan, o Aldi este ano já abriu na Maia, Vila Franca de Xira e uma nova loja em Coimbra (quer mais dez lojas em 2018); o Lidl expandiu este ano para Areosa (Porto), Fogueteiro (Seixal), modernizou Mealhada e abriu este mês na Lourosa (Santa Maria da Feira); Pingo Doce quer adicionar dez lojas e o Dia está a apostar no Minipreço Express. Quanto à Sonae, através de franchising, desde 2011 já abriu mais de 300 Meu Super e quer adicionar outros 30 este ano. “Estamos convencidos de que há ainda espaço para estes formatos de proximidade crescerem quer na criação de novas lojas quer na modernização de existentes”, diz António Filipe, diretor-geral do Meu Super.

Pedro Pimentel receia que a “densificação quase descontrolada do tecido comercial” crie o risco de “uma canibalização entre as diferentes insígnias e os vários formatos”. Ana Paula Barbosa tem uma visão diferente. “Até em Lisboa acredito que haverá oportunidades e que se chegar à saturação se vai virar para zonas mais de Interior”, defende a responsável da Nielsen. “Ainda temos lojas pequenas tradicionais que vão ser remodeladas, muita por vontade dos grupos que vão trazer nova dinâmica.”

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: JOAO RELVAS / LUSA

Desemprego registado volta a crescer em agosto, supera 409 mil inscrições

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

AL perdeu quase 3000 casas em Lisboa e Porto. Oferta para arrendar cresce

Manuel Heitor, ministro do Ensino Superior.
(PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Alunos vão pagar até 285 euros para ficar em hotéis e alojamento local

Intermarché vai abrir a sua primeira “loja urbana”