Consumo

Crocs encerra todas as suas fábricas… saiba o que muda

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

A Crocs vai fechar todas as suas fábricas até ao final do ano, mas o objetivo é continuar a produzir e chegar ao comércio online.

A famosa marca de sandálias de plástico informou que vai fechar todas as suas fábricas até ao final deste ano. A decisão faz parte do plano de renovação que já começou em 2014. Num comunicado publicado esta terça-feira, a Crocs anuncia que já encerrou uma fábrica no México e em breve vai fechar a última, localizada em Itália. Mas para alívio dos fãs, a marca já garantiu que os sapatos coloridos não vão desaparecer e o propósito é exatamente esse: cortar custos desnecessários e aumentar os lucros. Para além disso, querem reforçar a presença no comércio online, escreve a CBS News.

Para desfazer os rumores que anunciavam o seu fim, a Crocs explica ainda que as sandálias vão começar a ser fabricadas em outsourcing, através de fábricas que não pertencem à marca. O objetivo é aumentar a produção e conseguir responder de forma mais rápida e eficaz às exigências dos consumidores.

Quem também se congratula com esta decisão é Wall Street. As ações da Crocs valiam 5,4 euros em abril do ano passado e, esta quinta-feira, triplicaram o valor. No segundo trimestre deste ano, a Crocs registou lucros de 283,3 milhões de euros, um aumento de 4,7% quando comparado com o período homólogo de 2017. No mesmo documento, a Crocs prevê ultrapassar os 900 milhões de euros de lucro ainda este ano, por isso as sandálias de plástico mais famosas do mundo, estão longe de desaparecer.

A Crocs tem ainda 400 lojas abertas em todo o mundo e só durante o ano passado encerrou 160 pontos de venda, sendo também parte desta estratégia da empresa. Os Crocs têm fãs um pouco por todo o mundo, mas também causam controvérsia, pois já houve quem os considerasse os “sapatos mais feios do mundo”.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Poupança das famílias subiu no 2º trimestre

Deco pede medidas urgentes para travar crédito ao consumo

Elisa Ferreira, António Costa. Fotografia: Álvaro Isidoro/Global Imagens

Elisa Ferreira. Minas de lítio têm de “compensar impacto ambiental”

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira (E), e a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D). Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Governo deixa cair referencial geral para aumento de salários

Crocs encerra todas as suas fábricas… saiba o que muda