Tecnologia

O que deve fazer quando o smartphone tem a bateria viciada

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Saiba como evitar ter uma bateria viciada e como contornar a situação se já tiver uma.

A bateria é o ‘Calcanhar de Aquiles’ dos smartphones. Porquê? Porque como tudo depende deste componente, cuja duração média ronda um dia útil, acaba por causar muita ansiedade sempre que o ritmo de utilização é mais intenso ou fora do normal.

Se é verdade que as baterias de iões de lítio – aquelas que equipam os smartphones atuais – já não viciam como as baterias de antigamente, também é verdade que não são totalmente imunes ao passar dos meses. Estima-se que uma bateria comece a perder parte das suas capacidades de armazenamento ao fim de 300 a 500 ciclos de carregamento.

Isto significa que num smartphone que já tenha mais do que dois anos, o dispositivo pode ter perdido cerca de 20% da sua capacidade de armazenamento de energia original.

Veja também | Saiba o que está a ‘matar’ a bateria do seu portátil

A melhor prova disto veio da própria Apple: a empresa diminui a velocidade dos seus smartphones para que a deterioração da bateria não seja notória – o grande problema foi tê-lo feito durante anos sem dizer aos utilizadores.

Perante esta inevitabilidade da vida, seguem-se as grandes questões: o que fazer para não ficar com a bateria viciada? e o que fazer para calibrar a bateria do smartphone caso já sinta uma utilização abaixo do que é normal?

Na galeria em cima (ou clicando aqui) vai encontrar as respostas a estas perguntas.

Veja mais sobre tecnologia em insider.dn.pt

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
O que deve fazer quando o smartphone tem a bateria viciada