Empresas

Do ‘boom’ ao ‘bang’: conheça o(s) cemitério(s) de bicicletas chinesas

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

O rápido crescimento das empresas de partilha de bicicletas na China alterou a paisagem das principais cidades do país.

No ano passado assistiu-se a um verdadeiro ‘boom’ no negócio de bike sharing na China. Naturalmente, apareceram dezenas de companhias a oferecer este serviço e as principais cidades chinesas foram invadidas por milhões de bicicletas coloridas.
No entanto, a oferta ultrapassou rapidamente a procura por este serviço e a maioria das cidades não estava preparada para lidar com esta situação. Não existiam leis nem infraestruturas capazes de suportar esta autêntica invasão. Esta situação gerou que muitas das bicicletas fossem estacionadas fora dos locais previstos ou simplesmente abandonadas em qualquer lugar.
As cidades tiveram de tomar medidas: legislaram para regulamentar o setor de bicicletas partilhadas (muitas empresas acabaram por falir) e foram apreendendo a maior parte das bicicletas abandonadas. Este facto acabou por transformar a paisagem das principais cidades chinesas onde, agora, é possível encontrar vastas áreas ocupadas por milhares de bicicletas coloridas.
O conceito do bike sharing continua a ser muito popular na China mas o seu crescimento será agora mais sustentável. Até lá, os milhões de bicicletas foram abandonadas nas principais cidades chinesas criam cenários que se assemelham a verdadeiros “cemitérios”. Descubra na fotogaleria em cima alguns desses espaços.
Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

CML admite comprar 11 prédios da Segurança Social

Emissão de dívida do Benfica foi a menos concorrida de sempre

Os países da OPEP vão produzir mais petróleo. Fotografia: D.R.

Petróleo perde mais de 4,65%

Outros conteúdos GMG
Do ‘boom’ ao ‘bang’: conheça o(s) cemitério(s) de bicicletas chinesas