Fotogaleria

Estas palavras nasceram como marcas, mas hoje estão no dicionário

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Uma petição exige que a Google perca os direitos sobre o nome que ficou associado a um ato de pesquisa online. Casos como este não são inéditos.

Chegou, ao Supremo Tribunal norte-americano, uma petição a exigir que o termo ‘google’ deixe de pertencer à empresa homónima (que faz parte da Alphabet) para passar a ser do domínio público.

A exigência surge na sequência de hábitos que se foram criando em torno da maior plataforma de pesquisa mundial, que passou a servir de verbo para as pessoas que, quando querem sugerir a outras que “procurem na internet”, passam a dizer “google it” (“googla”, em tradução livre). Esse ‘verbo’ já consta dos dicionários Merriam-Webster ou Oxford English.

Devem as marcas, em casos como este, perder os direitos sobre a palavra? Antes da Google, muitas outras, como trampolim, gillette ou ping-pong foram, em tempos, marcas, mas a dimensão do sucesso fizeram delas simples termos genéricos, utilizados em todo o mundo e, algumas delas, apenas de forma metafórica.

Confira alguns exemplos na galeria acima.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Orlando Almeida/Global Imagens

Turismo vale 16% da atividade económica portuguesa

Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Défice público cai 59% até ao final de outubro

Marco Schroeder

Marco Schroeder renuncia a cargo de CEO da Oi

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Estas palavras nasceram como marcas, mas hoje estão no dicionário