Lisbon Mobi Summit

Estado e empresas investem para uma economia mais verde

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Lisbon Mobi Summit foi palco para a apresentação de projetos na área de mobilidade de empresas como EDP, Brisa e Efacec.

“Portugal está na linha da frente no combate às alterações climáticas”. A afirmação do ministro do Ambiente, José Matos Fernandes, durante a Lisbon Mobi Summit mostra o esforço que o país está a fazer para travar os efeitos do aquecimento global. Estado e privados estão a mobilizar-se para cumprir este objetivo e a cimeira organizada pelo Global Media Group, do qual faz parte o Dinheiro Vivo, foi o palco escolhido para mostrar algumas dessas medidas: o Estado conta com 720 milhões de euros para eletrificar os transportes públicos, os automóveis particulares e frotas; os privados, como a EDP e a Efacec, mostraram projetos para incentivar o uso de soluções livres de emissões.

Os transportes, “responsáveis por mais de um quarto das emissões”, são a principal área de ataque nas políticas do Governo. “A mobilidade e a redução de emissões é um casamento para o qual não pode haver divórcio”, referiu João Matos Fernandes.

O Governo, por isso, tem um plano de investimento de 720 milhões de euros para os próximos cinco anos que inclui, por exemplo, a compra de 516 autocarros com muito baixas emissões; o financiamento, em 110 milhões de euros, para o metro de Lisboa adquirir 14 novas unidades triplas elétricas; o apoio, em mais de 55 milhões de euros, para a CP encomendar 22 novos comboios regionais; a ajuda para a renovação do parque automóvel dos taxistas; e ainda os incentivos, de 2,25 milhões de euros por ano, para particulares e empresas comprarem automóveis elétricos.

Leia aqui: Aliança. Brisa junta-se aos transportes neutros de carbono

Matos Fernandes recordou que Portugal foi um dos primeiros países a ratificar o Acordo de Paris. Em 2016, foi traçada uma das metas mais ambiciosas de sempre para travar os efeitos do aquecimento global: neutralizar, a partir de 2050, as emissões de dióxido de carbono (CO2) emitidas para a atmosfera. “Uma verdadeira transformação socioeconómica”, nas palavras do ministro, porque as emissões de Portugal têm de baixar das 67,8 mega toneladas de CO2 para cerca de 10 mega toneladas de CO2, que terão de ser absorvidas pela floresta.

Privados aceleram aposta
Cumprir as metas de Paris implica também o investimento dos privados. A EDP e a Efacec juntaram-se para criar um produto que dá mais condições para os particulares carregarem o automóvel: a partir de outubro, a EDP Wallbox vai contar com um modelo de subscrição e integrar a aplicação “edp re.dy”, que permite aos clientes controlar e gerir os consumos de eletricidade.

As duas empresas também vão mostrar, até março de 2019, uma solução para condomínios e parques de estacionamento partilhados, que irá diferenciar os consumos relativos aos carregamentos elétricos dos restantes consumos do condomínio, facilitando o pagamento por parte de cada utilizador. Em parceria, a EDP e a Efacec vão ainda apresentar nos próximos meses mais soluções para promover a mobilidade elétrica, na área dos carregamentos e com outros produtos tecnológicos para particulares e empresas.

A aposta elétrica de Portugal também já pode ser vista um pouco por todo o mundo graças à Efacec: a empresa liderada por Ângelo Ramalho patrocina desde julho a equipa chinesa Techeetah, que conquistou na última época o campeonato Fórmula E, organizado pela FIA – Federação Internacional do Automóvel (ver vídeo abaixo). O acordo para a competição que junta os carros elétricos mais rápidos do mundo vai estender-se por três épocas e foi anunciado durante a Lisbon Mobi Summit.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA / LUSA

Centeno diz que abrandamento da economia esconde muitas coisas boas

Cristina Casalinho, presidente do IGCP

Portugal paga menos de 2% na última emissão de dívida do ano

Terminal (Naviport) do Porto de Setúbal com milhares de carros da Autoeuropa que estão bloqueados esta semana com a paralisação dos estivadores do Porto de Setúbal.
(A-gosto.com/Global Imagens).

Autoeuropa tem 5000 carros parados no porto de Setúbal

Outros conteúdos GMG
Estado e empresas investem para uma economia mais verde