calçado

Falta de mão-de-obra obriga Centenário a adiar investimento de 1,5 milhões

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Empresa de calçado diz que “se quiser comprar uma máquina nova, já não tem onde a meter”. Mas falta de jovens qualificados complica investimento 

Na Centenário, é tempo de pôr em stand-by o investimento de 1,5 milhões de euros para a expansão da fábrica em Oliveira de Azeméis. É que falta mão-de-obra qualificada. “É um investimento grande e que vamos fazer com meios próprios, mas com a falta de mão-de-obra é complicado… A juventude não quer vir para a indústria do calçado e isso faz-nos pensar que temos que ter os pés bem assentes na terra antes de avançarmos”, diz Domingos Ferreira, responsável da empresa. A Centenário é uma das 90 marcas portuguesas que participam na Micam, a maior feira do indústria de calçado que termina amanhã em Milão.

Com uma capacidade produtiva que ronda os 600 pares de sapatos por dia, a Centenário precisa de espaço para “dar fluidez” à produção. “Se quiser comprar uma máquina nova, já não tenho onde a meter”, explica o empresário de Cucujães, Oliveira de Azeméis, que, este ano, reforçou os seus quadros com 10 pessoas e dá já emprego 85 pessoas. O encerramento de uma fábrica vizinha foi a oportunidade para arranjar trabalhadores e, a cereja no topo do bolo, qualificados. “As empresas precisam muito de renovar os seus quadros, sentimos imensa falta da entrada de jovens. O fecho de uma unidade vizinha permitiu-nos absorver funcionários para a costura e a montagem”.

A empresa fatura, em média, 7,5 milhões de euros, exportando 95% do que produz, em especial para mercados como a Holanda, Estados Unidos e Espanha. A marca própria vale cerca de 15%. Especializada em calçado de homem, a Centenário dispõe, também, de uma linha para senhora, mais casual, e que tem vindo a apostar mais fortemente. Este ano investiu no e-commerce, associando-se ao projeto ‘Valorização da Oferta’, promovido pela associação do calçado, a APICCAPS, e com o apoio do Compete2020. “Éramos muitas vezes contactados por consumidores a perguntarem-nos onde podiam comprar os nossos sapatos e achamos que estava na altura de avançarmos com as vendas online e a criação de catálogos, etc. Os jovens compram tudo online e nós temos que estar presentes para aproveitar essa tendência”.

  • * A jornalista visitou a Micam a convite da APICCAPS
Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: DR

IMI baixa para mais de 24 mil famílias que pediram reavaliação

NOS

Avaria na rede da NOS está a afetar milhares de clientes

Bandeira de Angola

Ex-presidente do Fundo Soberano de Angola libertado

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Falta de mão-de-obra obriga Centenário a adiar investimento de 1,5 milhões