Imobiliário

Housers. 146 portugueses quiseram investir e pagaram mais alto

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Portugueses investiram mais de 60 mil euros para ajudar a financiar este apartamento. Housers precisou de 12 dias para angariar 188 mil euros

A segunda aposta da Housers em Portugal precisou apenas de 12 dias para encontrar financiamento. O apartamento localizado no Bairro de Santo ao Rego, em Lisboa, atraiu 526 investidores; mais de um quarto dos que acorreram são portugueses.

O projeto imobiliário de tipologia T1, com 42 metros quadrados, começou a ser financiado a 2 de fevereiro e, no dia 14, já tinham sido obtidos os 188 mil euros previstos e que permitem a compra, requalificação e decoração do imóvel.

Dos 526 financiadores, contaram-se 146 portugueses, que contribuíram com 60 804 euros. O que significa isto? Que a média de investimento deste imóvel foi 357 euros por investidor, um valor que os portugueses superaram, com um valor médio investido de 416 euros.

A Housers é uma startup financeira que nasceu em Espanha e, depois de entrar em Itália, decidiu apostar em Portugal. Chegou em outubro de 2016 e tem como objetivo colocar o investimento imobiliário como fonte alternativa de poupança.

Arrancou com um primeiro imóvel em Campo de Ourique para o qual foram precisos 20 dias para obter financiamento; agora o período encurtou. Além de imóveis em Lisboa, a empresa tem também oportunidades de investimento em cidades como Vigo, Madrid, Milão, Oviedo, Valência ou Santander.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Antonoaldo Neves, CEO da TAP Air Portugal. Foto: REUTERS/Regis Duvignau

TAP com prejuízos 118 de milhões em 2018

Roman Escolano, ministro da Economia de Espanha, Mario Draghi, do BCE, e Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Yves Herman

Portugal ainda satisfaz pouco nas reformas estruturais, mas supera nota da UE

Luís Máximo dos Santos é presidente do Fundo de Resolução e vice-governador do Banco de Portugal.

Banca só pagou 20% dos custos do Fundo de Resolução

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Housers. 146 portugueses quiseram investir e pagaram mais alto