internacionalização

Joias portuguesas a caminho de Hong Kong

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

O mercado mundial de joias vale cerca de 150 mil milhões de euros ao ano, sendo que a China importa cerca de 14%

A China é o terceiro maior importador de joalharia do mundo e, por isso, um mercado muito apetecível para as joias portuguesas. Em causa está uma quota superior a 14% num mercado que movimenta cerca de 150 mil milhões de euros ao ano. Seis empresas portuguesas marcam presença no Hong Kong International Jewellery Show, certame que arranca na quinta-feira e decorre até 5 de março na região administrativa especial da China.

Com 2.500 expositores e cerca de 52 mil visitantes profissionais de mais de 50 países, o Hong Kong International Jewellery Show é considerado o “ponto de encontro mundial” do setor da joalharia, servindo de plataforma de contacto com compradores de todo o mundo. E onde estarão as marcas lusas Alma e Coração, Bruno da Rocha, Coquine, Galeiras, J. Soares Joalheiros e Styliano Jewellery, sendo que o principal objetivo da presença nesta feira é “reforçar a ligação com o mercado asiático, sobretudo com a China, onde identificamos um grande potencial de crescimento para as joias portuguesas”, diz Fátima Santos, secretária-geral da Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal (AORP). Que acrescenta: “Aqui se fazem contactos para todo o mundo, desde EUA, Austrália e até Europa. Algumas marcas conquistaram clientes importantes em Espanha, França, Alemanha, a partir de Hong Kong”.

A feira em Hong Kong marcará, também, a terceira participação da Rota da Filigrana de Gondomar nos certames internacionais em parceria com AORP. “As demonstrações ao vivo têm sido um sucesso. Não só é uma forma de promovermos a filigrana portuguesa, reforçando os valores da manualidade, atenção ao detalhe e paixão que caracterizam a joalharia portuguesa, como têm sido também um importante atrativo de visitantes para o espaço, fascinados com a arte e talento dos nossos artesãos”, refere Fátima Santos.

Com sede em Lisboa, a Alma e Coração recria a arte centenária da filigrana em joias contemporâneas. Peças que se destacam “pela sua elevada qualidade de acabamentos e pelos rigorosos detalhes”.

A natureza e a arquitetura são as duas grandes fontes de inspiração de Bruno da Rocha. Insetos, plantas, flores e outros elementos orgânicos dão corpo às suas peças inspiradas na natureza luxuriante, a par de joias com linhas minimalistas e formas geométricas inspiradas em obras emblemáticas como a Casa da Música ou a Ponte D. Luís. O design ousada e a ergonomia das formas são constantes nas peças do criador portuense.

A Coquine é um projeto de Ana Freitas, a quarta geração de uma família ligada às joias e aos relógios de luxo. Joias minimalistas, com forte simbolismo, que apostam em “desenhos contemporâneos e formas femininas”. Destina-se a jovens mulheres que procuram na joalharia uma “expressão de personalidade, com um toque divertido e, ao mesmo tempo, sedutor”. A marca tem uma linha específica para criança, a Mini Coquine.

A Galeiras é uma empresa familiar que se dedica à arte da joalharia há mais de 50 anos. “O segredo da longevidade está gravado em cada peça: a mestria, o rigor, o profissionalismo e a confiança”, diz a empresa, que se dedica, exclusivamente, à produção para armazenistas e grossistas, em regime de private label.

A J. Soares Joalheiros assume que nasceu em 1991 “com a ambição de se tornar líder de mercado” no setor. “Alia tecnologia de ponta e elevada capacidade produtiva ao talento e mestria dos seus artesãos, que garantem o acabamento perfeito de cada peça”, diz a empresa de Gondomar.

Sobre a Rota da Filigrana, saiba que este é um projeto da Câmara Municipal de Gondomar que promove um roteiro pelas principais oficinas de filigrana da região e pelo Centro de Formação Profissional da Indústria de Ourivesaria e Relojoaria. Berço da ourivesaria portuguesa, Gondomar acolhe cerca de 60% da produção nacional. Os visitantes da rota podem acompanhar, de perto, o trabalho dos artesãos, bem como aprender e experimentar algumas das técnicas tradicionais, como a cinzelagem e a estampagem.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Artur Machado/Global Imagens.

Donos de alojamento local contestam agravamento das tarifas da água

Miguel Pina Martins, CEO da Science4you.

(Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens)

Science4you quer alargar prazo da oferta pública até fevereiro

(Carlos Santos/Global Imagens)

Porto de Setúbal: Acordo garante fim da greve às horas extraordinárias

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Joias portuguesas a caminho de Hong Kong