internacionalização

Joias portuguesas a caminho de Hong Kong

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

O mercado mundial de joias vale cerca de 150 mil milhões de euros ao ano, sendo que a China importa cerca de 14%

A China é o terceiro maior importador de joalharia do mundo e, por isso, um mercado muito apetecível para as joias portuguesas. Em causa está uma quota superior a 14% num mercado que movimenta cerca de 150 mil milhões de euros ao ano. Seis empresas portuguesas marcam presença no Hong Kong International Jewellery Show, certame que arranca na quinta-feira e decorre até 5 de março na região administrativa especial da China.

Com 2.500 expositores e cerca de 52 mil visitantes profissionais de mais de 50 países, o Hong Kong International Jewellery Show é considerado o “ponto de encontro mundial” do setor da joalharia, servindo de plataforma de contacto com compradores de todo o mundo. E onde estarão as marcas lusas Alma e Coração, Bruno da Rocha, Coquine, Galeiras, J. Soares Joalheiros e Styliano Jewellery, sendo que o principal objetivo da presença nesta feira é “reforçar a ligação com o mercado asiático, sobretudo com a China, onde identificamos um grande potencial de crescimento para as joias portuguesas”, diz Fátima Santos, secretária-geral da Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal (AORP). Que acrescenta: “Aqui se fazem contactos para todo o mundo, desde EUA, Austrália e até Europa. Algumas marcas conquistaram clientes importantes em Espanha, França, Alemanha, a partir de Hong Kong”.

A feira em Hong Kong marcará, também, a terceira participação da Rota da Filigrana de Gondomar nos certames internacionais em parceria com AORP. “As demonstrações ao vivo têm sido um sucesso. Não só é uma forma de promovermos a filigrana portuguesa, reforçando os valores da manualidade, atenção ao detalhe e paixão que caracterizam a joalharia portuguesa, como têm sido também um importante atrativo de visitantes para o espaço, fascinados com a arte e talento dos nossos artesãos”, refere Fátima Santos.

Com sede em Lisboa, a Alma e Coração recria a arte centenária da filigrana em joias contemporâneas. Peças que se destacam “pela sua elevada qualidade de acabamentos e pelos rigorosos detalhes”.

A natureza e a arquitetura são as duas grandes fontes de inspiração de Bruno da Rocha. Insetos, plantas, flores e outros elementos orgânicos dão corpo às suas peças inspiradas na natureza luxuriante, a par de joias com linhas minimalistas e formas geométricas inspiradas em obras emblemáticas como a Casa da Música ou a Ponte D. Luís. O design ousada e a ergonomia das formas são constantes nas peças do criador portuense.

A Coquine é um projeto de Ana Freitas, a quarta geração de uma família ligada às joias e aos relógios de luxo. Joias minimalistas, com forte simbolismo, que apostam em “desenhos contemporâneos e formas femininas”. Destina-se a jovens mulheres que procuram na joalharia uma “expressão de personalidade, com um toque divertido e, ao mesmo tempo, sedutor”. A marca tem uma linha específica para criança, a Mini Coquine.

A Galeiras é uma empresa familiar que se dedica à arte da joalharia há mais de 50 anos. “O segredo da longevidade está gravado em cada peça: a mestria, o rigor, o profissionalismo e a confiança”, diz a empresa, que se dedica, exclusivamente, à produção para armazenistas e grossistas, em regime de private label.

A J. Soares Joalheiros assume que nasceu em 1991 “com a ambição de se tornar líder de mercado” no setor. “Alia tecnologia de ponta e elevada capacidade produtiva ao talento e mestria dos seus artesãos, que garantem o acabamento perfeito de cada peça”, diz a empresa de Gondomar.

Sobre a Rota da Filigrana, saiba que este é um projeto da Câmara Municipal de Gondomar que promove um roteiro pelas principais oficinas de filigrana da região e pelo Centro de Formação Profissional da Indústria de Ourivesaria e Relojoaria. Berço da ourivesaria portuguesa, Gondomar acolhe cerca de 60% da produção nacional. Os visitantes da rota podem acompanhar, de perto, o trabalho dos artesãos, bem como aprender e experimentar algumas das técnicas tradicionais, como a cinzelagem e a estampagem.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dos blueprints  dos primeiros automóveis, ao topo dos carros elétricos atuais, de elon Musk, em homenagem, a Nikolas Tesla.
Ilustração: VITOR HIGGS

Automóvel. Em 20 anos do euro mudou tudo, menos a carga fiscal e o líder

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

A EDP, liderada por António Mexia, vai pagar o maior cheque de dividendos da bolsa nacional.

PSI20. Menos lucros mas o mesmo prémio aos acionistas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Joias portuguesas a caminho de Hong Kong