Automóvel

Mercedes bate recorde de vendas em Portugal. Conheça os mais vendidos

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

O ano de 2018 voltou a ser bastante positivo para a Mercedes-Benz em Portugal, com a marca de Estugarda a registar um novo recorde de vendas no nosso país, justificado em grande parte pelo sucesso comercial da gama compacta composta pelos Classe A, B, CLA e GLA. Para 2019, a grande aposta será a eletrificação da gama, com híbridos Plug-in a gasolina e Diesel e o elétrico EQC. Na toada de ganhos, também a smart obteve o segundo melhor ano de sempre em Portugal e a melhor quota de mercado de todos os países onde está presente.

Voltou a ser um ano de recordes para a Mercedes-Benz em Portugal. Com um crescimento de 1,2% face a 2017, a marca alemã ficou com o lugar mais baixo do pódio nas vendas em Portugal, ficando apenas atrás da Renault e da Peugeot, que foram as duas mais vendidas de acordo com os dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP). Este foi também o sexto ano consecutivo de crescimento no mercado por parte da Mercedes-Benz, que matriculou 16.464 unidades em 2018, mais 1,2% do que no ano anterior.

Por segmentos, pertence à gama de veículos compactos o grande quinhão das vendas da Mercedes-Benz no nosso país. O Classe A (do qual a nova geração chegou em maio) foi a que teve maior peso (cerca de 35% do total das vendas), com 5682 unidades vendidas, seguindo-se os Classe B, CLA e GLA, que representaram 20% do total de registos (equivalente a 3238 unidades). A gama Classe C vendeu 2328 unidades (14%) e os GLC Coupé e SUV um total de 2041 unidades (12%). A gama E representou 13%, correspondente a 2079 unidades vendidas. Pouco expressivas, as demais gamas de topo, compostas por modelos da gama Classe S, GT e G venderam 221 unidades em 2018.

No entanto, Nuno Mendonça, diretor-geral de Marketing e Vendas da Mercedes-Benz, em declarações ao Motor24, lembra que o Classe A poderia ter sido ainda mais representativo, uma vez da nova geração venderam-se 3124 unidades sem que tivesse caixa manual (o que lhe retirou alguma capacidade de batalha no mercado de frotas) e apontando ainda alguma dificuldade inicial na obtenção de unidades para matricular em Portugal.

Os outros modelos destacados pela marca foram o CLS, cuja nova geração chegou em abril com um total de 169 unidades vendidas, mesmo que os motores de seis cilindros tivessem sido únicas opções até uma fase tardia de 2018, quando chegou o CLS 300 d de quatro cilindros em linha e mais acessível. O Classe C renovado vendeu 1025 unidades em cerca de seis meses de comercialização, enquanto o icónico Classe G foi introduzido no ano passado apenas com motores de oito cilindros (500 e AMG 63), só este ano chegando o modelo com Diesel – no total, para este jipe mais aguerrido, venderam-se nove unidades.

Smart também nos ganhos

A marca de citadinos smart também teve motivos de satisfação, obtendo o seu segundo melhor ano em Portugal, com 3205 unidades vendidas, com um crescimento de 2,5% face a 2017. A quota de mercado de 1,4% em Portugal faz com que o nosso país seja o número a nível mundial no que à smart diz respeito. Um resultado que deixa os responsáveis da marca bastante satisfeitos, com Bernardo Villa, diretor de Marketing e Vendas da smart Portugal a sublinhar o facto de a marca do grupo Daimler ter em Portugal um valor digno de registo.

O smart fortwo continua a ter a grande fatia das vendas, com 48,4% do total (a larga maioria com caixa automática), enquanto o forfour fica com a segunda posição, com 42,3% das vendas. O fortwo cabrio é responsável por 9,4% das vendas da marca, havendo também que mencionar os 334 EQ elétricos matriculados no ano passado.

Antecipando o ano de 2019, Bernardo Villa reconhece o desafio que é a transição para uma gama 100% elétrica em 2020, sendo que nestes 12 meses o objetivo é “posicionar a smart como uma marca elétrica sem descurar os motores de combustão que estarão à venda até final de 2019”. Para o conseguir, o foco da comunicação da smart estará na ideia de que o objetivo é “facilitar a vida nas grandes cidades”.

Noutro âmbito, o ano de 2018 trouxe ainda ganhos nas áreas dos veículos desportivos AMG (um recorde com 205 unidades, mais 36% face a 2017). A divisão da Mercedes-Benz Vans vendeu 1468 exemplares e a Trucks (pesados de mercadorias e de transportes) um total de 650 unidades. No total, o grupo Daimler comercializou 21.900 automóveis em Portugal em 2018.

Em destaque estiveram também os resultados obtidos pelos serviços Costumer Care (após-venda), que teve um crescimento nas unidades assistidas em oficinas da rede da Mercedes-Benz de 9,8%, ou seja, um total de 138.274 veículos assistidos. A marca alemã estima que tem na sua rede um valor de 40% do seu parque circulante, o que representa igualmente um aumento na rentabilidade dessa divisão, na ordem dos 6,7%.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Antonoaldo Neves, CEO da TAP Air Portugal. Foto: REUTERS/Regis Duvignau

TAP com prejuízos 118 de milhões em 2018

Roman Escolano, ministro da Economia de Espanha, Mario Draghi, do BCE, e Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Yves Herman

Portugal ainda satisfaz pouco nas reformas estruturais, mas supera nota da UE

Luís Máximo dos Santos é presidente do Fundo de Resolução e vice-governador do Banco de Portugal.

Banca só pagou 20% dos custos do Fundo de Resolução

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Mercedes bate recorde de vendas em Portugal. Conheça os mais vendidos