calçado

Orso Sandals. Capital chinês produz calçado Made in Portugal

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

A empresa dá trabalho a 60 pessoas, em Santa Maria da Feira, e está à procura de mais 20. Faturou cerca de 1,5 milhões e está a criar marca própria

O encerramento da Basilius, em 2006, empresa histórica da indústria de calçado, foi uma surpresa já que era um dos ícones do sector, fundada por Basílio Oliveira, que chegou a ser presidente da associação patronal, a APICCAPS. Mais de uma década depois, a unidade fabril, em Santa Maria da Feira, tem uma nova vida: alberga a Orso Sandles, empresa de capital chinês instalada em Portugal.

Fundada em 2012, a Orso Sandles é um investimento de Fang Fang, que vive na Europa há mais de 15 anos. O marido tinha em Espanha um armazém de revenda de calçado que importava da China, mas percebeu que teria mais sucesso se o produzissem cá. Fang Fang associou-se a um sócio chinês, Xia Xiong Zheng, que vivia em Portugal, e assim arrancou o projeto. Inicialmente em Fiães, Santa Maria da Feira. Em 2016, Fang Fang assumiu a totalidade do capital e transferiu-se para Portugal, tendo comprado as instalações da antiga Basilius para poder crescer, numa outra freguesia do mesmo concelho.

Filipe Ji, do departamento comercial da empresa, explica a opção: “A garantia made in Portugal faz toda a diferença porque torna mais fácil arranjar clientes na Europa”. Por outro lado, diz, a desalfandegagem dos contentores vindos da China “não é simples”, por isso, “preferimos importar as matérias-primas e produzir cá. As despesas até podem ser mais elevadas, mas as vantagens compensam”.

Hoje, a Orso Sandles dá emprego a 60 trabalhadores que laboram de segunda a sexta-feira em três turnos, ou seja, 24 sobre 24 horas, e está à procura de mais 20 pessoas para reforçar um dos turnos, já que investiu numa nova máquina de injeção, que lhe vai permitir duplicar a capacidade de produção que, atualmente, é de dois a três mil pares ao dia. Os funcionários ganham, em média, 580 euros, valor que sobe para os 650 para os que trabalham no turno da noite.

Chinelos e sandálias em PVC ou EVA, vulgo borracha ou plástico, são o principal produto da Orso Sandles. A nova máquina de injeção visa reforçar a aposta num novo artigo, as sapatilhas com sola em poliuretano e com a gáspea em malha, “mais leves e confortáveis” do que as tradicionais. Praticamente tudo o que produz exporta, já que tem, ainda, “poucos clientes” no mercado nacional. Espanha é o principal destino dos produtos Orso Sandles, bem como Itália, França, Bélgica e Polónia.

Esta foi uma das 96 empresas portuguesas presentes na Micam, a feira de calçado em Itália, com o apoio do Programa Compete, mas a aposta não correu bem, já que se trata de um certame muito vocacionado para a moda e que “não se adequa ao nosso tipo de produto”, admite o responsável comercial da Orso Sandles. A intenção é manter a participação na InterGift, em Madrid, onde é presença assídua, e tentar apostar numa outra feira em Itália, a de Garda. Em fase de registo está a marca própria, a New Star, que será a aposta da Orso Sandles para 2019.

A empresa faturou 1,5 milhões de euros em 2017, mas este ano deve ficar-se por um milhão. “O verão chegou tarde e as vendas ressentiram-se”, diz.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Orso Sandals. Capital chinês produz calçado Made in Portugal