calçado

Orso Sandals. Capital chinês produz calçado Made in Portugal

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

A empresa dá trabalho a 60 pessoas, em Santa Maria da Feira, e está à procura de mais 20. Faturou cerca de 1,5 milhões e está a criar marca própria

O encerramento da Basilius, em 2006, empresa histórica da indústria de calçado, foi uma surpresa já que era um dos ícones do sector, fundada por Basílio Oliveira, que chegou a ser presidente da associação patronal, a APICCAPS. Mais de uma década depois, a unidade fabril, em Santa Maria da Feira, tem uma nova vida: alberga a Orso Sandles, empresa de capital chinês instalada em Portugal.

Fundada em 2012, a Orso Sandles é um investimento de Fang Fang, que vive na Europa há mais de 15 anos. O marido tinha em Espanha um armazém de revenda de calçado que importava da China, mas percebeu que teria mais sucesso se o produzissem cá. Fang Fang associou-se a um sócio chinês, Xia Xiong Zheng, que vivia em Portugal, e assim arrancou o projeto. Inicialmente em Fiães, Santa Maria da Feira. Em 2016, Fang Fang assumiu a totalidade do capital e transferiu-se para Portugal, tendo comprado as instalações da antiga Basilius para poder crescer, numa outra freguesia do mesmo concelho.

Filipe Ji, do departamento comercial da empresa, explica a opção: “A garantia made in Portugal faz toda a diferença porque torna mais fácil arranjar clientes na Europa”. Por outro lado, diz, a desalfandegagem dos contentores vindos da China “não é simples”, por isso, “preferimos importar as matérias-primas e produzir cá. As despesas até podem ser mais elevadas, mas as vantagens compensam”.

Hoje, a Orso Sandles dá emprego a 60 trabalhadores que laboram de segunda a sexta-feira em três turnos, ou seja, 24 sobre 24 horas, e está à procura de mais 20 pessoas para reforçar um dos turnos, já que investiu numa nova máquina de injeção, que lhe vai permitir duplicar a capacidade de produção que, atualmente, é de dois a três mil pares ao dia. Os funcionários ganham, em média, 580 euros, valor que sobe para os 650 para os que trabalham no turno da noite.

Chinelos e sandálias em PVC ou EVA, vulgo borracha ou plástico, são o principal produto da Orso Sandles. A nova máquina de injeção visa reforçar a aposta num novo artigo, as sapatilhas com sola em poliuretano e com a gáspea em malha, “mais leves e confortáveis” do que as tradicionais. Praticamente tudo o que produz exporta, já que tem, ainda, “poucos clientes” no mercado nacional. Espanha é o principal destino dos produtos Orso Sandles, bem como Itália, França, Bélgica e Polónia.

Esta foi uma das 96 empresas portuguesas presentes na Micam, a feira de calçado em Itália, com o apoio do Programa Compete, mas a aposta não correu bem, já que se trata de um certame muito vocacionado para a moda e que “não se adequa ao nosso tipo de produto”, admite o responsável comercial da Orso Sandles. A intenção é manter a participação na InterGift, em Madrid, onde é presença assídua, e tentar apostar numa outra feira em Itália, a de Garda. Em fase de registo está a marca própria, a New Star, que será a aposta da Orso Sandles para 2019.

A empresa faturou 1,5 milhões de euros em 2017, mas este ano deve ficar-se por um milhão. “O verão chegou tarde e as vendas ressentiram-se”, diz.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
2. Os telemóveis desvalorizam até 78% do investimento num ano

Burlas com SMS custam um milhão por ano aos consumidores

Ana Jacinto, secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) antes de uma entrevista, esta manhã nos estúdios TSF.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Ana Jacinto. Hotelaria e restauração precisam de mais de 40 mil trabalhadores

Austin, EUA

Conheça o ranking das cidades mais desejadas pelos millennials em 2020

Orso Sandals. Capital chinês produz calçado Made in Portugal