RGPD

Os 10 erros mais comuns das empresas com o RGPD

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Veja os dez erros mais frequentemente cometidos pelas empresas e departamentos de Recursos Humanos. Veja na fotogaleria quais são.

O novo Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) entrou em vigor a 25 de maio de 2018 e levou a várias mudanças nas empresas. Várias organizações tiveram de se adaptar e mudar a forma como gerem os dados e as informações, sob pena de serem multadas.

Este regulamento visa uniformizar práticas de privacidade entre os vários Estados membros da União Europeia. Vai substituir a diretiva e lei de proteção de dados, que regia o tema da privacidade até aqui e que permitia que cada Estado adaptasse um conjunto de práticas à sua legislação. O Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) está há dois anos a ser testado e está a ser aplicado há dois meses.

Leia também: Perguntas e respostas do novo regulamento de proteção de dados

Apesar de já ter sido introduzido há mais de 60 dias, há empresas que continuam a cometer alguns erros. A Seresco, empresa multinacional especializada no fornecimento de soluções tecnológicas e de transformação digital das empresas, analisou, através da sua área de Processamento Salarial e Recursos Humanos, os dez erros mais frequentemente cometidos pelas empresas e departamentos de Recursos Humanos. Veja na fotogaleria quais são.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Os 10 erros mais comuns das empresas com o RGPD