Hotelaria

O resort mais caro do mundo estava a operar sem licença

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Na ilha privada de Banwa, nas Filipinas, uma noite custa 100 mil dólares. É qualquer coisa como 88,5 mil euros. Mas as reservas agora estão bloqueadas

Depois de alguns meses a publicitar-se como o resort mais caro do mundo, a operar em pleno para receber hospedes disponíveis para pagar 100 mil dólares por noite, a ilha privada de Banwa bloqueou novas reservas. A razão? Estava na mira das autoridades por não ter as devidas licenças para operar.

“A ilha privada de Banwa estará totalmente disponível para operar depois da conclusão da documentação regulamentar pendente, que é esperada a qualquer momento”, refere o grupo na página oficial, depois de a imprensa local já ter dado conta de que havia uma investigação em curso que poderia resultar no encerramento das instalações.

Em falta estão autorizações para operar, como a acreditação pelo Departamento do Turismo filipino, mas também licenças relacionadas com as questões ambientais e recursos naturais. Banwa terá submetido alguns documentos antes da abertura ao público, mas não foram suficientes para que as autorizações fossem dadas.

À imprensa local, o Ministério do Turismo filipino dá conta de que será feita uma inspeção no final de junho que irá envolver quatro entidades diferentes: Ministério do Turismo, Ministério do Interior, agência ambiental e Ministério da Saúde.

Uma noite nesta ilha privada está ao alcance de muito poucos. São pedidos 100 mil euros por noite, qualquer coisa como 88,5 mil euros, e a reserva mínima obrigatória é de três noites. A diária dá acesso a refeições, atividades e tratamentos de spa. A taxa, no entanto, deixa de fora os vinhos, e o transfer, que tem de ser feito através de avião privado ou helicóptero a partir de Manila ou Porto Princesa.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 7. Patrões e motoristas divididos por 50 euros

Motoristas em greve junto à saída da sede da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, durante a greve por tempo indeterminado dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias, Azambuja, 16 de agosto de 2019. Portugal está, desde sábado e até às 23:59 de 21 de agosto, em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação, o que permitiu a constituição de uma Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), com 54 postos prioritários e 320 de acesso público. TIAGO PETINGA/LUSA

Greve dos motoristas: atenções voltadas para plenário de trabalhadores

Outros conteúdos GMG
O resort mais caro do mundo estava a operar sem licença