aviação

Ryanair ‘intimida’ tripulantes com questionário sobre greve

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

A poucos dias da paralisação, a low-cost quer saber quem vai fazer greve. Na semana passada quatro tripulantes foram despedidos.

A Ryanair enviou esta terça-feira, 17, um questionário online aos tripulantes de cabine de Portugal, Espanha, Bélgica e Itália, que vão avançar com uma greve nos próximos dias 25 e 26, no sentido de saber quais são os trabalhadores que vão aderir à paralisação.

O Dinheiro Vivo teve acesso ao documento digital no qual a low-cost irlandesa alerta os seus funcionários para o facto de não serem obrigados a aderir ao protesto e de serem livres de comparecer no trabalho. “Acreditamos que as perturbações são desnecessárias para os nossos clientes durante o período de férias”, refere a transportadora que garante que tentou, por diversas vezes, chegar à fala com o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) mas sem sucesso. “Tanto a Ryanair como a Crewlink e Workforce (empresas que recrutam os tripulantes da companhia) fizeram propostas de reuniões aos sindicatos de forma a discutir questões como o reconhecimento sindical, os salários e os benefícios laborais. O SNPVAC recusou todas as nossas 21 propostas”, garante a Ryanair.

A presidente do SNPVAC, Luciana Passo, explicou ao Dinheiro Vivo que a estrutura sindical esteve sempre disponível para negociar com a companhia aérea irlandesa mas que esta não os reconhece como um intermediário válido. “Neste questionário dizem que nos fizeram convites para reuniões. As reuniões que tivemos nunca resultam em nada porque a Ryanair, a Crewlink e a Workforce impõe restrições. Querem saber com quem se vão reunir porque não reconhecem os corpos sociais do sindicato como um locutor válido, porque nós não somos funcionários da Ryanair, somos de outras companhias”, justifica. A presidente confirma que foi feita uma proposta de reunião para esta terça-feira, dia 17, entre ambas as partes. “Mandaram-nos há uma semana um convite para uma reunião que teria lugar no dia de hoje, terça-feira, 17. Dissemos que estávamos disponíveis para reunir. Perguntámos se mantinham as mesmas restrições quanto a receber a direção do sindicato e não obtivemos nenhuma resposta”, lamenta.

Sobre o questionário que começou a circular nos emails dos tripulantes de cabine pelas 15 horas desta terça-feira, Luciana Passo afirma que se trata de uma “medida de coação com o objetivo de meter medo aos trabalhadores”.

“Não há o direito das empresas questionarem sobre quem vai aderir a uma greve ou não e, nesse sentido, iremos fazer queixa desta situação à ACT”, avisa a dirigente sindical.

A uma semana do início da greve convocada pelas estruturas sindicais europeias que representam os diversos tripulantes de cabine, Luciana Passo traça um cenário de intenso protesto. “As perspetivas são de uma forte adesão e infelizmente serão provocados constrangimentos mas não nos restou outra alternativa. Isto é uma chamada de atenção fortíssima para que as autoridades e os governos vejam o que se passa com estes trabalhadores”, antecipa.

Como pano de fundo da paralisação, estão as exigências de melhores condições de trabalho e o reconhecimento das leis nacionais de cada país, em detrimento da lei irlandesa. “No fundo, aquilo que se pede não é nada de extraordinário, são três coisas essenciais. É o reconhecimento da lei, é começar negociações para um acordo de empresa e que os tripulantes que operam para a Ryanair, Crewlink e Workforce, tenham todos os mesmos direitos”, refere a presidente do SNPVAC.

Luciana Passo exige que quem manda tome uma ação. “O que é obrigatório é que as autoridades competentes verifiquem a atuação da Ryanair, nomeadamente a ANAC, a ACT e o próprio governo. Só assim é que a Ryanair pode mudar de atitude”, refere.

A sindicalista lamenta que o governo ainda não tenha atuado nem tenha tomado nenhuma posição perante as reivindicações sindicais. “Não tivemos nenhuma resposta por parte do parlamento, desde a nossa ida lá a expor os nossos motivos. Ontem, segunda-feira, a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, mostrou-se solidária e ofereceu-se para estar connosco nos dias da greve, no sindicato, para falar com os tripulantes e estar aqui num gesto de solidariedade. Como é um partido que está junto do governo talvez tenha alguma importância e faça alguma diferença”, explica.

Tripulantes despedidos em por se recusarem a exceder horas de trabalho

Na semana passada foram despedidos, em Espanha, quatro trabalhadores da Ryanair que se recusaram a operar oito voos consecutivos, com destino a Palma de Maiorca, num período que poderia totalizar as 15 horas de trabalho. Os tripulantes alegaram, perante o comandante do voo, cansaço extremo e falta de condições para continuar a operar as suas funções em segurança. Entre as queixas, os funcionários da transportadora afirmam que já não tinham água disponível.

Contactada pelo Dinheiro Vivo, fonte oficial da Ryanair disse que “estes tripulantes foram dispensados uma vez que se recusaram a levar a cabo o seu dever. Tal como especificamos no memorando enviado, este caso recente de recusa ocorreu numa situação em que não se aplicava nem fatiga nem longas horas de trabalho. Nenhum tripulante de cabine perdeu, ou poderia perder, o seu trabalho por prudência ou fatiga. Todos os tripulantes de cabine da Ryanair trabalham num horário fixo de 5 dias com 3 dias de folga (o equivalente a um fim-de-semana prolongado todas as semanas), operam um bloco de turnos matinais ou tardios, não podem (por lei) voar mais de 900 horas por ano (uma média de 18 horas por semana) e desfrutam de horários que excedem todos os requisitos mínimos por parte da EASA.”

A Ryanair convocou os trabalhadores para uma reunião em Dublin, na qual despediu os tripulantes. Três dias depois, dia 11, foi enviada uma carta a todos os trabalhadores na qual a transportadora irlandesa ameaça com despedimento atitudes semelhantes e alega que, em primeiro lugar, está sempre o cliente e não o tripulante.

“O regulamento europeu que estabelece as normas de tempos limites de trabalho diz que quando um tripulante apresente sinais de fatiga que não lhe permitam levar a cabo as suas funções a bordo, o operador não lhe pode exigir que trabalhe. A Ryanair considera que os tripulantes desde que se apresentam para o trabalho e até o trabalho acabar, não interessa o estado em que estão”, lamenta Luciana Passo.

Esta é “uma medida de retaliação, como sempre exagerada, por parte da Ryanair” acusa a presidente. A empresa gerida por Michael O’Leary negou que o cansaço estivesse na base do despedimento destes tripulantes e alegou que os trabalhadores por cada cinco dias de voo têm três de descanso e que são cumpridas as normas.

A dirigente do SNPVAC desmente esta informação. “Tenho um planeamento que diz o contrário. A Ryanair não cumpre com essa medida relativa ao descanso. Contactam também os tripulantes nas folgas e querem obrigá-los a trabalhar quando necessitam de mais pessoas”, acusa.

Sobre os próximos passos, a presidente diz que ainda não é a altura de falar disso. “Neste momento estamos concentrados na greve de dia 25 e 26. Depois temos tempo de nos reunir com os outros sindicatos e estabelecer um plano futuro, consoante as respostas que tenhamos”, conclui.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Saídas para a reforma disparam 43% na função pública

Foto: DR

EDP flexibilizou pagamento de faturas no valor de 60 milhões de euros

Carteiros

CTT vão entregar cartão de cidadão em casa. Piloto arranca em Oeiras

Ryanair ‘intimida’ tripulantes com questionário sobre greve