Telecomunicações

Trabalhadores da PT vão reunir com Governo. Querem intervenção na empresa

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Sindicatos convocaram greve na PT para o próximo dia 21 contra as saídas de trabalhadores da operadora

Os sindicatos que representam os trabalhadores da PT Portugal vão reunir a 20 de julho com o secretário de Estado do Trabalho, Miguel Cabrita, adiantou Jorge Félix, presidente do Sindicato dos Trabalhadores da PT (STPT), ao Dinheiro Vivo. Querem que a intervenção do Governo na companhia que tem vindo a realizar um corte no número de trabalhadores através de vários processos de “transmissão de estabelecimento”. Num mês foram 155 trabalhadores.

“Queremos a intervenção do Ministério e mostrar que não pode ser este o caminho que a PT está a levar”, diz Jorge Félix, presidente do STPT. O encontro com o Executivo surge na véspera da greve na PT Portugal, convocado pela Comissão de Trabalhadores e os diversos sindicatos representados na PT, para o próximo dia 21 como forma de protesto pela reestruturação em curso na empresa que tem levado à saída de centenas trabalhadores. Só no último mês foram 155 pessoas transferidas para empresas prestadores de serviços à dona do Meo, através de um mecanismo legal denominado transmissão de estabelecimento, tendo ainda a companhia convidado outros 50 à rescisão por mútuo acordo, tal como avançou o Dinheiro Vivo.

A greve tem sido antecedida por plenários e protestos junto a edifícios. Esta quarta-feira cerca de 300 trabalhadores reuniram em plenário no edifício sede da operadora, em Picoas. O objetivo, diz Jorge Félix, “alertar os trabalhadores para a necessidade de uma grande mobilização para a greve de dia 21”, diz.

O protesto depois seguiu para a rua, com mais de uma centena de trabalhadores a empunhar faixas com mensagens como “Governo tem de travar a Altice”, “Não há destruição da PT, em defesa do País, dos clientes e dos trabalhadores” ou “Contra a intimidação, repressão e chantagem, em defesa de um ambiente de trabalho saudável na PT”.

O presidente do Conselho de Administração da PT Portugal, Paulo Neves (2-E), acompanhado pela vice-presidente da Comissão de Trabalho e Segurança Social, Wanda Guimarães (C), fala perante a Comissão, na Assembleia da República, em Lisboa, 12 de julho de 2017. TIAGO PETINGA/LUSA

TIAGO PETINGA/LUSA

Uma manifestação que ocorre no mesmo dia em que Paulo Neves, o Chairman e CEO da PT Portugal, foi ouvido no Parlamento sobre o processo de reestruturação em curso na operadora, desde junho de 2015 sob controlo acionista do grupo francês Altice.

“Rejeito liminarmente qualquer acusação de assédio moral, não estamos a fazer nenhum assédio moral”, garantiu Paulo Neves.

Não é esta a visão dos trabalhadores, que criticam a lacuna na lei do Trabalho que permite que seja feita a transmissão de estabelecimento, que permite que os trabalhadores sejam transferidos para outras empresas terceiras sem necessidade do seu consentimento. “Mesmo que a Lei permita isso, o que a empresa está a fazer é fraudulento. As pessoas ficam no mesmo local de trabalho, a fazer o mesmo trabalho, com os instrumentos da PT. Só muda é a empresa com quem passam a ter um vínculo laboral”, refere Jorge Félix.

Entre as várias hipóteses que os sindicatos estão a estudar – já que avançar com providências cautelares torna-se complicado provar um dano imediato, já que durante 12 meses os trabalhadores mantêm direitos e garantias do Acordo de Empresa da PT – é uma “ação central que ponha em causa este processo” de transmissão de estabelecimento “que está a ser feito de modo fraudulento e que tem como único objetivo cortar custos através da redução de pessoas”, defende Jorge Félix.

“O caminho é estreito”, admite o sindicalista, quando questionado sobre o eventual sucesso de uma ação legal.

Outro dos caminhos é procurar apoio político juntos dos partidos com assento parlamentar e junto do Governo para que intervenha na operadora. A PT Portugal é detida a 100% pelo grupo privado francês Altice, mas Jorge Félix lembra que pelas infraestruturas da PT passa muito informação do Estado.

“A Altice não tem estado a investir na infraestrutura, o que pode levantar problemas de segurança”, diz Jorge Félix. E quando lembrado que a companhia tem um ambicioso plano de expansão de fibra, para até 2020 ligar 5,3 milhões da casas, diz: “Mesmo a aposta em rede é em zonas de pouca rentabilidade”.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
David Cameron, no Forum Económico Mundial 2020, em Davos. DR.

Davos. Os negócios, a política, o ambiente e os “do contra”

Ilustração: Vítor Higgs

Espanhóis e chineses na corrida para entrar no capital do EuroBic

Procurador-Geral da República de Angola, Hélder Pitta Grós (EPA/MARIO CRUZ)

PGR angolano afasta mais arguidos portugueses no caso Isabel dos Santos

Trabalhadores da PT vão reunir com Governo. Querem intervenção na empresa