Tecnologia

Usa o Google? Vem aí uma alteração radical para a sua privacidade

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Tecnológica norte-americana vai dar mais poder aos utilizadores sobre os seus dados pessoais. Funcionalidade chega “nas próximas semanas”.

A Google está a criar uma funcionalidade que vai permitir aos utilizadores autodestruírem informações pessoais – como o histórico de localização, aplicações móveis e páginas web – ao fim de três ou 18 meses. Ou seja, assim que estas opções estiverem selecionadas, a pessoa não precisará de voltar a preocupar-se em apagar estes dados de forma manual.

Por exemplo, dados como o histórico do Chrome, o histórico do Maps e o histórico do Google Discovery – a nova versão do motor de busca para dispositivos móveis – serão automaticamente apagados no limite de tempo definido.

Esta funcionalidade vai estar integrada dentro das opções de privacidade da conta Google de cada pessoa. A tecnológica não foi muito específica sobre quando esta nova ferramenta vai ficar disponível, confirmando apenas que vai ser lançada a nível global “nas próximas semanas”.

Leia também | Quer fazer melhores pesquisas no Google? Veja estes 11 truques

Ao apagar os dados, as recomendações futuras que a Google faz tendo por base o perfil de cada utilizador podem ser menos precisas – avisa a empresa -, mas ao definir períodos específicos de tempo isso significa que o utilizador também não fica totalmente sem recomendações perfiladas.

Segundo a publicação The Verge, o histórico de localização, aplicações móveis e páginas web são os primeiros conjuntos de dados a integrarem esta funcionalidade de autodestruição, o que parece indicar que no futuro mais dados privados dos utilizadores podem entrar neste sistema.

Veja mais sobre tecnologia em insider.dn.pt

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(TIAGO PETINGA/LUSA)

Procuram-se especialistas para indústria em alto voo

LISBOA, 02/05/2019  - Convidado do programa “A Vida do Dinheiro” - António Bernardo
(João Silva/Global Imagens)

António Bernardo: “O modelo económico e social europeu é um modelo de futuro”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
Usa o Google? Vem aí uma alteração radical para a sua privacidade