Turismo

World of Wine. Taylor’s investe 100 milhões na zona histórica de Gaia

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

São 30 mil metros quadrados dedicados à história da região, aos vinhos, à cortiça e à moda. Abre em junho de 2020 e vai criar 350 novos empregos

O grupo The Fladgate Partnership, detentor das marcas Taylor’s, Croft, Fonseca e Krohn, vai investir 100 milhões de euros no World of Wine, um centro de visitas gigantesco que ocupará 30 mil metros quadrados no centro histórico de Vila Nova de Gaia. Cinco museus, 12 restaurantes, lojas de artesanato, uma escola de vinhos e espaço para exposições temporárias irão atrair mais de meio milhão de visitantes ao ano. O pontapé de saída no projeto foi dado esta quinta-feira, numa cerimónia com Adrian Bridge, diretor-geral da empresa, e Eduardo Vítor Rodrigues, autarca da cidade.

Na prática, o projeto World of Wine (WoW) resulta da reconversão dos antigos armazéns do grupo, situados abaixo do Hotel Yeatman e do centro de visitas da Taylor’s, para a criação de um complexo cultura, de retalho e de restauração, que pretende funcionar como um “catalisador”, estimulando o investimento e o desenvolvimento na zona. Além dos museus do vinho, da cortiça e da moda e design, os turistas terão, ainda, oportunidade de visitar o museu do Porto, dedicado à história, ao desenvolvimento e à arquitetura da região ao longo dos tempos. E poderão ver, num quinto espaço, como evoluiu o copo, o cálice e outros recipientes para beber. O espólio deste museu é o resultado da coleção pessoal de Adrian Bridge, que conta com peças com oito mil anos de história e oriundas de todo o mundo.

Com abertura prevista para junho de 2020, irá criar 350 empregos diretos, permanentes, além dos 150 previstos durante a fase de construção. Quanto aos visitantes, a Fladgate Partnership estima que, numa fase inicial, o World of Wine seja visitado por 560 mil pessoas ao ano e que realizarão mais de um milhão de visitas culturais. A faturação esperada em 2025 é de 40 milhões de euros.

“Estima-se que 60% dos nossos turistas visitem, pelo menos, dois dos museus”, diz Adrian Bridge, em declarações ao Dinheiro Vivo, explicando que haverá preços diferenciados de entrada em cada um dos museus, estando previstos descontos para quem visite mais do que um espaço, bem como preços distintos para quem se dirija ao World of Wine de manhã ou de tarde, quando a procura é maior. E embora o preço final dos bilhetes esteja, ainda, a ser estudado, o diretor-geral da Fladgate Partnership admite que poderá rondar os 20 euros por museu, baixando para 16 euros nas visitas múltiplas.

Leia também Caves Taylor’s. As visitas aos Porto vintage tornaram-se tecnológicas

O museu da cortiça contará com o apoio do grupo Amorim e dará a conhecer a cultura do sobreiro, como é extraída a cortiça e as suas múltiplas aplicações, das rolhas aos carros, da moda à indústria aeronáutica e aeroespacial. Quanto ao museu do vinho, contará a história dos vinhos portugueses desde a vinha à garrafa, situando-os no contexto mundial, e dando a conhecer as castas, os solos, os padrões climáticos e as técnicas de vinificação. Este espaço será desenvolvido com o apoio dos 83 parceiros vinícolas do Yeatman. “Há 16 centros de visitas de vinho do Porto em Vila Nova de Gaia, não fazia sentido repetir a oferta aqui, por isso centramo-nos na imensa diversidade dos vinhos portuguesas em todas as suas regiões”, explica Adrian Bridge. E há que não esquecer que um desses 16 centros de visitas é o da Taylor’s, que fica ‘colado’ ao World of Wine.

No Porto através dos tempos, os turistas poderão conhecer a história, a cultura e a arquitetura da região Norte desde há mais de mil anos. E no Museu da Moda e do Design, uma parceria com Manuel Serrão, da Seletiva Moda, será dada a conhecer “quão grande, vibrante e diversificada” é esta indústria na região. “Há uma grande tradição têxtil e de design a norte, no vestuário, no calçado e nos acessórios, mas falta um espaço que dê a conhecer essa realidade. Há um Museu Têxtil em Vila Nova de Famalicão, mas que fica um pouco fora da rota dos turistas. Este espaço vai ter zonas temporárias para exposições ou lançamento de novas coleções”, adianta o diretor-geral da Fladgate.

O investimento, de 100 milhões, será realizado com recurso a meios próprios, a financiamento bancário e aos apoios comunitários ao abrigo do fundo Jessica (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) . Mais do que captar novos turistas, o World of Wine pretende fazer com que estes fiquem mais tempo na região, aumentando a estadia média dos hotéis, e atrair visitantes na época baixa, entre novembro e março. “Desde que lançamos o Yeatman, em 2008, investimos já mais de 3,5 milhões de euros na promoção do destino Grande Porto. A minha filosofia é que o alojamento, os hotéis, são um produto secundário. Se não houver conteúdo para oferecer aos visitantes, se eles não tiverem o que fazer, não precisam de pernoitar. E esse deve ser o nosso grande desafio”, diz Adrian Bridge. Segundo este responsável os turistas passam, em média, 2,6 dias na região, o que corresponde a duas noites de alojamento. “Se conseguirmos que fiquem mais um dia, estamos a aumentar em 50% a procura da hotelaria”, sublinha.

Quanto ao retorno do investimento, este responsável assume que será assegurado por várias vias. Além dos bilhetes de acesso aos museus, cada um destes espaços terá uma loja próprias com merchandising. Por outro lado, haverá lojas de artesanato a explorar, bem como os 12 restaurantes e a escola de vinhos, resultante de uma parceria com o fornecedor líder de qualificação em vinhos no mundo, a WSET – Whine and Spirit Education Trust. “Estamos, ainda, a trabalhar com especialistas na área do retalho para definir como iremos rentabilizar estes espaços, sendo certo que o merchandising será uma importante fonte de receitas deste projeto”, admite.

Adrian Bridge salienta, no entanto, que além do retorno financeiro, que acontecerá, sempre, numa lógica de médio e longo prazo, há, ainda, que ter em conta o retorno por via da valorização dos terrenos e da aproximação dos turistas às marcas do grupo. “Eu quero, com todos estes investimentos, é construir embaixadores para a nossa cidade, para a nossa cultura e gastronomia e para os nossos vinhos porque, a Fladgate Partnership continuará sempre a ter no vinho do Porto o seu core business“. A faturação esperada do World of Wine em 2025 é de 40 milhões de euros, com margens líquidas à volta dos seis milhões. “A chave fundamental deste projeto é o Jessica, que tem os seus fundos orientados para 20 anos e que vai ajudar a aliviar a pressão. Se demorar dez anos a obter o retorno, para nós é um prazo aceitável”, assegura. E há, ainda, 7.500 metros quadrados disponíveis para uma expansão futura.

 

 

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.
Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Francisco Pedro Balsemão, CEO do grupo Impresa. Foto: DR

Impresa.Reestruturação já atingiu 20 trabalhadores. E chegou ao Expresso

PCP

Subsídios por duodécimos no privado também acabam em 2018

Turistas no novo terminal de cruzeiros de Lisboa, Santa Apolónia. Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Instituto alemão prevê boom na construção em Portugal até 2020

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
World of Wine. Taylor’s investe 100 milhões na zona histórica de Gaia