Galp analisa compra de ativos no Brasil

Carlos Gomes da Silva, novo CEO da Galp
Carlos Gomes da Silva, novo CEO da Galp

A Galp está a analisar a compra de ativos no Brasil, anunciou hoje o novo presidente executivo da empresa, Carlos Gomes da Silva.

“Estaremos atentos a qualquer ativo que possa ser colocado à venda no Brasil”, disse esta tarde na conferência de apresentação dos resultados do primeiro trimestre de 2015, referindo-se a áreas e projetos de exploração de petróleo.

De acordo com o gestor, a procura incidirá, maioritariamente, sobre ativos “de menor maturidade” que, apesar de terem um maior risco, são tendencialmente mais baratos e têm uma maior rentabilidade.

Para Carlos Gomes da Silva é esta procura de ativos que permitirá à empresa manter os níveis de produção que pretende atingir porque, diz, apesar de a empresa estar agora em fase de crescimento, os poços que estão agora em operação e que vão entrar até 2018 vão, eventualmente, começar a declinar e “por isso é preciso encontrar reservas”.

Contudo, o gestor alerta que qualquer análise para comprar projetos – ou qualquer compra efetiva – tem de ser feita com uma feita com “uma gestão ativa do portfolio”. Ou seja, no Brasil, que é o principal mercado de crescimento da Galp neste momento, o foco é comprar, mas noutras geografias o objetivo pode ser vender, até como forma de financiamento para os projetos de exploração e produção de petróleo.

“A venda dos ativos regulados de gás [em Portugal] é uma possibilidade no nosso plano de financiamento, mas atenção, está longe de estar à venda”, alertou Gomes da Silva quando questionado por um jornalista sobre estes ativos em específico.

O novo CEO disse ainda que esta estratégia de novas aquisições e de venda de ativos para gerar financiamento está também longe de ser objeto de pressão da nova equipa executiva que hoje se apresentou.

O objetivo, diz Gomes da Silva, é mesmo “executar os projetos existentes na exploração e produção de petróleo de forma eficiente e de preferência com custos mais baixos”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Os grupos retalhistas têm planos de novas aberturas para o próximo ano. Foto: D.R.

Em dois anos abriram em Portugal quase 300 supermercados

(Amin Chaar / Global Imagens)

CTT vai distribuir entregas urgentes da Revolut em Portugal e Espanha

Fotografia: D.R.

Fornecedores de multinacionais poluem 5,5 vezes mais

Outros conteúdos GMG
Galp analisa compra de ativos no Brasil